(Charge pode isso 214)

Pode isso 214

Das redes sociais

“Rubens Menin, dono da CNN, está com dúvida que os reais jornalistas da casa podem sanar. O tratamento precoce é bem-vindo. COM A DROGA EFICAZ. Qual parte você entendeu? Sua construtora contrata engenheiros ou feiticeiros? Contrata gente que não crê na Lei da Gravidade? A casa cai, né?”, escreveu o jornalista Reinaldo Azevedo, após Rubens Menin, dono da CNN, defender o inexistente “tratamento precoce” contra a covid-19.

Deboche

Após país registrar 500 mil mortes por Covid, Bolsonaro vai às redes e fala sobre Lázaro

Das redes sociais

Pouco depois de o Brasil registrar a marca de 500 mil mortes por Covid-19, Jair Bolsonaro publicou um vídeo nas suas redes sociais se dirigindo aos policiais que atuam na busca por Lázaro Barbosa, em Brasília.

 “Sabemos que este bandido tem uma certa prática de andar na mata sem deixar vestígio. Mas sabemos também que nossos policiais, além de corajosos, são tenazes e não descansarão enquanto não cumprirem essa missão. E tenho certeza de que, brevemente, o Lázaro estará no mínimo atrás das grades”, afirmou Bolsonaro.

Mantega ironiza Guedes: quer implantar o “restos zero”

Do 247

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega criticou a proposta do ministro Paulo Guedes, que sugeriu dar restos de comida para pobres e mendigos como política de enfrentamento à insegurança alimentar.

“Lula implantou o programa Fome Zero e Guedes quer implantar o Restos Zero”, ironizou Mantega. “Desde o tempo colonial os escravos e pobres comiam os restos e as migalhas dos banquetes da casa grande. O Guedes quer oficializar o Restos Para os Pobres”, acrescentou o ex-ministro da Fazenda.

Durante participação em evento promovido pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Guedes afirmou que os desperdícios da cadeia produtiva precisam ser mais bem aproveitados para acabar com a fome no país.

“O prato de ‘um classe média’ europeu é pequeno, no nosso, há uma sobra enorme. Precisamos pensar como utilizar esse excesso no dia a dia. Aquilo dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, pessoas desamparadas. É muito melhor que deixar estragar”, disse o ministro. 

“Como utilizar esses excessos que estão em restaurantes e esse encadeamento com as políticas sociais, isso tem que ser feito. Toda aquela alimentação que não for utilizada durante aquele dia no restaurante, aquilo dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, desamparados. É muito melhor do que deixar estragar essa comida toda”, completou Paulo Guedes.

‘Há culpados e eles serão punidos’, promete cúpula da CPI da Covid sobre o meio milhão de mortes

Em nota divulgada após o Brasil atingir a marca de 500 mil mortos em razão da pandemia, o grupo que reúne a maioria dos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid reforçou o compromisso de que os culpados pagarão por seus erros.

“Asseguramos que os responsáveis pagarão por seus erros, omissões, desprezos e deboches. Não chegamos a esse quadro devastador, desumano, por acaso. Há culpados e eles, no que depender da CPI, serão punidos exemplarmente. Os crimes contra a humanidade, os morticínios e os genocídios não se apagam, nem prescrevem. Eles se eternizam e, antes da justiça Divina, eles se encontrarão com a justiça dos homens”, diz trecho da nota assinada por sete dos 11 integrantes titulares, entre eles o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), o vice Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e o relator Renan Calheiros (MDB-AL). Os senadores dizem que a data é “dolorosamente trágica” e “desejam nossos mais profundos sentimentos”.

Superpedido de impeachment vai reunir mais de 20 crimes de Bolsonaro para pressionar Arthur Lira

Fonte: Folha de São Paulo.

“Em articulação conjunta, partidos de esquerda e ex-aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) elaboram um superpedido de impeachment que deverá apontar mais de 20 tipos de crime contra a lei de responsabilidade”, aponta o jornalista Thiago Resende, em reportagem publicada na Folha de S. Paulo.

A versão mais recente deverá ser apresentada a líderes partidários após as manifestações contra o presidente neste sábado (19), que reuniram 750 mil pessoas em mais de 400 atos no Brasil e no mundo. “Em abril, legendas de oposição a Bolsonaro deram início ao plano de unificar todos os pedidos de impeachment já protocolados na Câmara”, lembra o jornalista. “Hoje, são 121 já apresentados. O resultado é chamado de superpedido ou pedidão de impeachment — o termo varia a depender do integrante do grupo.” “Omissões e falhas na condução do combate à pandemia da Covid-19, também devem fundamentar a defesa pelo impeachment do presidente. Responsáveis pela unificação de todos pedidos já protocolados dizem ser possível afirmar que Bolsonaro incorreu em mais de 20 tipos criminais previstos na lei de impeachment, e em alguns casos agindo de forma reiterada”, lembra o repórter. “A expectativa é que a plenária [para analisar o relatório] seja marcada até uma semana após as manifestações de 19 de junho”, disse a presidente do PT, Gleisi Hoffmann.

Bolsonaro acha que os pobres são ‘compráveis’; não entendeu nada dos programas sociais de Lula e vai se dar mal

Do 247

Marcos Coimbra, diretor do Instituto Vox Populi, apresentou uma análise acurada sobre a diferença entre Lula e Jair Bolsonaro na relação com os mais pobres, que se reflete na radical diferença de suas condutas no governo. “Bolsonaro acha que Lula é popular porque dava migalhas ao povo para ganhar eleições. Então, ele se coloca como ‘pai’ do auxílio emergencial e fala em aumentar o Bolsa Família para vencer a eleição em 2022. Mas o Lula nunca fez o que fez para ganhar eleições. Fez o Bolsa Família, fez o Minha Casa, Minha Vida por acreditar neles, porque os temas da fome e da moradia fazem parte de sua biografia, que é comum à biografia do povo. O governo Lula lançou o Luz para Todos, o ProUni e o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI), o Brasil Sorridentes, todas ações de quem sabe o valor de ter energia elétrica em casa, de educar os filhos, de cuidar dos dentes, que era prerrogativa apenas das camadas médias e ricos no país. 

Bolsonaro não entendeu nada e acha que é tudo ‘estratégia eleitoral’ e sai a distribuir migalhas.  As pessoas mais simples não são ‘compráveis’. O problema para o Bolsonaro e o que é bom para o Lula é que as pessoas mais simples, gente do povo, percebe que de um lado existe sinceridade, compromisso real, e do outro existe pura manipulação.