Renan: em apenas um dia, o governo deixou de comprar 130 milhões de doses de vacinas

"O negacionismo nos posicionou como segundo país com maior número de mortes", aponta ainda o senador

0
168
Renan Calheiros (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, publicou importante artigo nesta terça-feira, em que relata o trabalho da comissão e o estrago causado ao país pela administração negacionista de Jair Bolsonaro, que empurrou remédios inúteis e perigosos para a população brasileira, como a cloroquina, e sabotou a compra de vacinas. Leia abaixo:

O eclipse do negacionismo

Por Renan Calheiros – 247/ JAV

O trabalho da CPI para iluminar os escombros, resgatar a verdade e inculpar eventuais responsáveis é longo e promissor. Os timoneiros são os fatos. Em respeito ao direito de defesa, ao contraditório, é prematuro apontar os culpados pelo morticínio. Mas já é possível, com dados sujeitos a confirmação, fazer um balanço parcial. O saldo revela quanto a omissão, dolosa ou não, impactou as mortes e perdas irreparáveis. Cada ato deliberado e negacionista, cada equívoco, cada sabotagem à ciência se eternizou em mortes.

Após a primeira etapa de depoimentos, podemos afirmar que milhares de vidas poderiam ter sido preservadas com escolhas sensatas, responsáveis e científicas. Ao fim dos trabalhos, teremos como quantificar o número de óbitos evitáveis, que redundaram em lágrimas e destruição de famílias. A estatística assombrosa poderia ter sido atenuada se maiores tivessem sido a compreensão e o engajamento do governo. As escolhas vão desde a compra tempestiva de vacinas até recomendações elementares, como distanciamento, uso de máscaras, ações orgânicas com estados e renda digna e continuada para quem precisa.

O retrospecto do obscurantismo sugere um método de recusa sistemática das vacinas e prioridade de estratégias anticientíficas. Do Butantan, foram desprezadas, em cinco meses, três ofertas de 60 milhões ou 100 milhões de doses, com disponibilidade de 5,5 milhões já em dezembro de 2020. As seis propostas da Pfizer — 70 milhões — foram ignoradas por seis meses, e 1,5 milhão seriam aplicadas em 2020. Em dezembro de 2020, poderíamos ter vacinado 7 milhões de brasileiros.

Em apenas um dia, 18 de agosto de 2020, o governo deixou de comprar 60 milhões da CoronaVac e outros 70 milhões da Pfizer: 130 milhões de doses, mais da metade dos nossos habitantes. No consórcio Covax, o Brasil recusou doses para 50% da população, optando por inexplicáveis 10%. A matemática é apartidária e reveladora: o Brasil, de maneira contumaz e deliberada, abriu mão de milhões de imunizantes durante o ano de 2020.

O negacionismo nos posicionou como segundo país com maior número de mortes, com a exasperante marca que supera mais de 460 mil vítimas até agora. Em plena pandemia, recursos públicos foram desperdiçados na produção de cloroquina, ineficaz para a Covid-19. Uma receita duplamente mortal, já que retirou recursos das vacinas, e o medicamento acarreta efeitos colaterais graves. A má gestão no desabastecimento de oxigênio de Manaus pode receber qualquer nome, menos gestão. O governo tinha conhecimento de que a calamidade era iminente. Que fez para impedir a tragédia?

Na CPI, vivenciamos a angústia de suportar a pantomima de depoimentos despudorados, apesar do verniz e das formalidades. É como assistir a alguém pisoteando cadáveres, sem nenhuma empatia, como se ali estivesse diante de um embate político. É escárnio, desrespeito e uma aposta mortífera de que tudo não passa de uma “tormenta passageira”. Grave erro de diagnóstico. A pandemia é a mais profunda e incurável cicatriz da nossa história. Os que atuam para bolhas de convertidos carregarão a vergonha e a desonra para o resto dos dias.

Positivo é que a CPI, de forma inédita, gerou uma rede espontânea de colaboradores e reconectou o Parlamento com a sociedade. Nos chegam vídeos, áudios e documentos que contribuem para desmontar farsas maquinadas no gabinete do ódio e no ministério da doença. Temos uma rede de checagem, um gabinete do bem, voluntário, em defesa da luminosidade, da ciência e da vida. Essa interação ganhou um forte impulso depois que abrimos a perguntas dos internautas, todas pertinentes.

O extrato parcial do negacionismo exibe um placar de mortes que não para de subir, um conjunto de inações que não para de se repetir. Atitudes que, antes, durante e ainda agora, causam indignação e perplexidade. Ao final da CPI, haverá um balanço definitivo para o conhecimento da sociedade. A sensação é que assistimos ao fim de prolongado eclipse, quando as sombras vão se dissipando, e a luz vai ressurgindo gradualmente e renovando a vida.

*Senador (MDB-AL) e relator da CPI da Covid (247)