(Charge pode isso 207)

Pode isso 207

Com informações do Poder360.

Jair Bolsonaro debochou da demanda popular pelo auxílio emergencial, refletida nas manifestações do 29M. A apoiadores no Palácio da Alvorada, o presidente buscou ainda fugir da culpa pelo aumento no desemprego:  “Como é endividamento por parte do governo, quem quer mais é só ir no banco e fazer empréstimo. Sabemos da situação difícil em que se encontra população, que perdeu empregos não por culpa do presidente”, disse.

Bolsonaro disse que o Brasil, ao contrário do que indicam dados do Ministério da Cidadania, foi um dos únicos países na América Latina a reduzir a pobreza: 

“Só dois países da América Latina diminuíram a pobreza, nós e o Panamá, se não me engano. Você não vai ver isso em lugar nenhum da imprensa. Qual país do mundo fez projeto como o nosso, que foi o auxílio emergencial? Gastamos em 2020 o equivalente a 10 vezes o Bolsa Família. E tem gente criticando ainda, falando que quer mais”. 

Negociação para trazer Copa América para o Brasil foi feita diretamente com Bolsonaro

Do 247

A decisão de realizar a Copa América no Brasil foi tomada nesta segunda-feira 31, após conversa entre o presidente da CBF, Rogério Caboclo, e Jair Bolsonaro. Desde o ano passado, o ocupante do Palácio do Planalto defende o retorno dos campeonatos de futebol apesar da pandemia da Covid-19. Reportagem do jornal O Globo informa que foi o próprio Bolsonaro, após o contato com a CBF, que comunicou ao secretário especial de Esportes, Marcelo Magalhães, sobre as  negociações para realizar a Copa América no Brasil.

Bolsonaro destacou também a Casa Civil, o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Saúde para continuarem as conversas. A Conmebol anunciou a realização do torneio no Brasil em suas redes sociais e agradeceu pessoalmente a Jair Bolsonaro. 

A rejeição de Bolsonaro pela população é cada vez maior. No último sábado 29, ocorreram manifestações em todo o país defendendo o imediato fim do seu governo. Bolsonaro quer a Copa América no Brasil para levantar um pouco que seja a sua popularidade.

84% dos brasileiros defendem alta de imposto para ricos para pagar políticas públicas

Pesquisa Oxfam Brasil/Datafolha divulgada nesta segunda-feira 31, mostra que 84% dos brasileiros concordam que os mais ricos devem pagar mais impostos para financiar políticas públicas sociais, como educação, moradia e saúde. Além disso, mais da metade (56%) defende o aumento de tributos para os serviços.

De acordo com os dados do levantamento “Nós e as Desigualdades”, o apoio da população pelo aumento da tributação está crescendo conforme os anos. De 2019 para 2020, o apoio subiu 25 pontos percentuais. Era de 31% em 2019 e passou para 56% no ano passado.

Além disso, a pesquisa também mostrou que 86% dos brasileiros afirmam que o governo tem a obrigação de reduzir a diferença entre os mais ricos e os mais pobres. Dos ouvidos pela pesquisa, 85% pensam que o governo precisa reduzir as desigualdades regionais no país.

Trazer a Copa América para o Brasil é ‘jogada diabólica de Jair Bolsonaro’, diz Merval Pereira

Fonte: O Globo

O jornalista Merval Pereira, colunista de O Globo, qualificou a possibilidade do Brasil sediar os jogos da Copa América em meio à pandemia como uma “jogada diabólica” de Jair Bolsonaro. “Uma jogada diabólica de Bolsonaro, em sentido político, mas também quase literal, dado o perigo de disseminação do vírus”, afirma. “Desde a Roma Antiga, pão e circo são fatores políticos fundamentais, aqui no Brasil temos hoje mais circo do que pão na mesa do cidadão comum, com a inflação e o desemprego em alta”, completa.

“Bolsonaro, como na campanha em que não precisou participar dos debates devido ao atentado que sofreu, não passará pelo teste de popularidade do Maracanã devido à pandemia”. Para ele, “as infecções de jogadores pela Covid-19 falam por si contra a normalização dos jogos, mesmo com protocolos de segurança rígidos e sem a presença de público. Copa América no Brasil, a esta altura do campeonato ( perdão pelo trocadilho), é uma maluquice total, um absurdo que confirma o descaso do governo Bolsonaro com a pandemia”.

O Brasil está na iminência de uma terceira onda, quando começar a Copa América devemos estar com cerca de 500 mil mortos.

Bolsonaro nomeia Pazuello como secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência

O ex-ministro da Saúde e general Eduardo Pazuello foi nomeado por Jair Bolsonaro nesta terça-feira 1º, como novo secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. O ato foi publicado em edição extra do “Diário Oficial da União”.

Pouco mais de dois meses após sua demissão do Ministério da Saúde, Pazuello está de volta ao governo Bolsonaro. A nomeação acontece após Pazuello ter sido pivô de uma nova crise militar, que se iniciou com sua participação em ato político a favor do governo federal. Sendo militar da ativa, é vedado a Pazuello o direito de manifestar-se politicamente. A portaria que nomeou Pazuello como secretário da Presidência foi assinada pelo ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos. Pazuello passa a ser subordinado ao almirante Flávio Rocha, atual secretário de Assuntos Estratégicos do governo.

Mídia comemora ‘crescimento vegetativo’ para garantir permanência de Paulo Guedes

Do Blog do Esmael

A velha mídia corporativa funciona hoje como sindicato de bancos, que defende interesses próprios e de especuladores, e os veículos de comunicação pertencem a instituições financeiros ou são braços de fundos de investimentos –os fundos abutres.

Esclarecido isso, os barões da mídia –Folha, Estadão, Globo, Valor, et caterva– comemoraram nesta terça-feira (1º/6) o ‘crescimento vegetativo’ do PIB (Produto Interno Bruto) no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2020. Segundo prévia do IBGE, o Brasil cresceu 1,2% no primeiro trimestre deste ano de 2021 –em relação a 2020.

Por trás desse discurso “otimista” dos jornalões está a luta pela manutenção do pior ministro da Economia que o País já teve, o banqueiro Paulo Guedes. Na economia real, a que importa, os preços dos alimentos continuam explodindo; os combustíveis são vendidos em dólar enquanto os brasileiros recebem em real; o desemprego tem a maior taxa do planeta; meio milhão de pessoas perderam a vida na pandemia porque não há vacina e o Brasil não fez o aporte necessário para comprar e produzir o imunizante.

Ao proteger, blindar Paulo Guedes, a velha mídia também luta para segurar o presidente Jair Bolsonaro no cargo. Os banqueiros, os barões da mídia, têm interesses cruzados com esse projeto recessivo, da fome e da miséria. Paulo Guedes é um pária. Bolsonaro é um pária. A velha mídia e os bancos são párias.