(Charge pode isso 193)

Pode isso 193

Das redes sociais

O presidente da CPI da Covid, Omar Azis (PSD-AM) comentou na tarde dessa quarta-feira 5, sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o vírus e o que chamou de guerra química.

“Acho que essa declaração de hoje vai piorar muito. Hoje foi ruim”, disse Aziz. “Falou em guerra química e nós estamos nas mãos deles. Não era a hora de cutucar ninguém”.

O senador fazia referência aos insumos para a produção das vacinas, que vem exatamente do gigante asiático.

Após Bolsonaro acusar China, Frente Parlamentar reage: “Doença mental”

Do Metrópoles

O presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, deputado Fausto Pinato (Progressistas-SP), reagiu às insinuações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que a China teria “criado” o novo coronavírus, causador da Covid-19, em prol de uma suposta “guerra química”.

Pinato atribuiu as declarações do chefe do Palácio do Planalto a um possível “desvio de personalidade” e a uma “grave doença mental”.

“A meu ver, não se trata de uma pessoa irresponsável, desequilibrada e sem noção de mundo. Na verdade, pode tratar-se de uma grave doença mental que faz o nosso presidente confundir realidade com ficção”, declarou, em nota.

Bolsonaro é “tigre de papel”, segundo ministros do STF

Do 247

As ameaças de Jair Bolsonaro ao STF (Supremo Tribunal Federal) levaram ministros da Corte a concluírem que o governo está “trôpego” por causa da CPI da Covid. Sob ameaça, o títular do Planalto parte para o ataque.

Mas na opinião de magistrados, Bolsonaro, no entanto, tem se mostrado um tigre de papel, informa a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna.

Depois de dois dias de depoimentos dos ex-mnistros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich na CPI da Covid, acumulam-se indícios de que o presidente da República cometeu crime de responsabilidade na gestão da pandemia de covid-19.

Bolsonaro diz ter “provas” de que Aécio venceu Dilma em 2014

Ancelmo Gois, na sua coluna no Globo

Em reunião com Cláudio Castro, secretários de Saúde e deputados apoiadores, Jair Bolsonaro voltou a falar em fraude nas eleições.

O presidente acusou o judiciário de agir para fazer Lula disputar em 2022 e já falou em “fraude”.

Ele foi ainda mais longe, dessa vez.Depois de dizer que tem “provas” de que a eleição de 2018 foi fraudada e não apresentar nenhuma depois de um ano, ele voltou 4 anos na história.

Segundo Ancelmo Gois, na sua coluna no Globo, ele afirmou que “tem provas” de que Aécio Neves venceu a eleição presidencial de 2014 contra Dilma Rousseff. Ou seja, na narrativa de Bolsonaro, em 2014 e 2018 houve fraude, e em 2022, sem o voto impresso, também haverá.

Presidente do TSE, Barroso diz que voto impresso causará “caos” e “judicialização” da eleição

Da Coluna de Gerson Camarotti no G1:

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, alertou em entrevista à GloboNews que o voto impresso, em discussão no Congresso Nacional, vai criar no país um “desejo imenso de judicialização” do resultado das eleições. “Nós vamos criar o caos no sistema que funciona muitíssimo bem”, enfatiza.

Também ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Barroso reforçou a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro. “O nosso sistema de voto em urna eletrônica é totalmente confiável”, diz.

A fala do presidente do TSE acontece um dia após o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ter criado uma comissão especial para discutir a proposta de emenda à Constituição (PEC) que obriga o voto impresso. (…)

Bolsonaro é o “malandro agulha”

No Tijolaço por Fernando Brito

Há um ano, escrevi aqui que Jair Bolsonaro era um “malandro agulha”(gíria carioca dos anos 70 para os que só “deixam furo”), para designar o cara cara que se acha muito esperto, que todos os outros são ”otários” e que sempre vai “se dar bem”.

Na quarta-feira 5, à noite, depois de receber no aeroporto um cidadão brasileiro, ex-fuzileiro naval, preso e condenado na Rússia por transportar um medicamento opióide destinado a um jogador de futebol, Jair Bolsonaro “mandou” a agulhada de malandro, para dizer que não havia, mais cedo, criticado a China, porque não havia dito o nome do país o qual insinuava estar fazendo “guerra química” e enriquecendo à custa da pandemia de Covid-19. “Vocês é que interpretaram, disse, culpando a imprensa por “muita maldade de tentar um atrito com um país tão importante para nós”.

Só um sujeito muito imbecil acha que isso pode “colar”, ainda mais em cima dos chineses que obviamente não são, como Bolsonaro pensa (desculpem o emprego deste verbo), bobos. 

E, como não são idiotas, como nosso presidente, não passam recibo e devem ter alguma expressão em mandarim para definir o “sua batata está assando” para Bolsonaro.

Putin diz que vacina Sputnik V é “simples e confiável como um fuzil AK-47”

Da Folha

Em meio a atual guerra das vacinas, o presidente Vladimir Putin recorreu nesta quinta-feira 6, a um antigo símbolo soviético para destacar a eficácia da Sputink V. Durante reunião com a cúpula de seu governo em Moscou, o líder russo afirmou que, embora o Ocidente tenha produzido o que ele chamou de vacinas inovadoras, os imunizantes russos são mais seguros e confiáveis.

“Tão simples e confiáveis quanto um fuzil Kalashnikov”, afirmou ele durante um encontro com a vice-primeira-ministra, Tatiana Golikova, transmitido ao vivo no país.

O Kalashnikov, também conhecido pela sigla AK-47, é o fuzil mais vendido de todos os tempos, famoso pelo baixo valor de produção — na comparação com outros armamentos semelhantes— e por quase nunca travar, além de funcionar em todas as situações climáticas.

Por isso, a arma foi adotada tanto por exércitos quanto por grupos rebeldes ao redor do mundo — em Moçambique, o fuzil aparece na bandeira do país devido à sua importância na guerra de independência. (…)