Papa comentou passagem do livro dos Atos dos Apóstolos sobre o modo de organização das primeiras comunidades cristãs (AFP photo / Vatican Media)

BdF / JAV

O papa Francisco celebrou, no domingo 11, a missa do “Domingo da Divina Misericórdia” com cerca de 80 presos, refugiados e profissionais da saúde em uma igreja próxima à Praça São Pedro, no Vaticano.

Durante o sermão, o pontífice comentou uma passagem do livro bíblico dos Atos dos Apóstolos, que descreve o modo de organização das primeiras comunidades cristãs. 

O líder da Igreja Católica fez questão de ressaltar que elas ignoravam o conceito de propriedade privada e compartilhavam todos os seus bens. “Isso não é comunismo, mas puro cristianismo”, enfatizou.

O primeiro domingo após a Páscoa é considerado, na Igreja Católica, um dia para celebrar a misericórdia entre os homens e mulheres. A data foi instituída pelo papa João Paulo II, no ano 2000.

“Não podemos permanecer indiferentes. Não podemos viver uma meia fé, que apenas recebe, mas não dá”, reforçou Francisco.

“Se o amor acaba em nós mesmos, a fé evapora-se num intimismo estéril. Sem os outros, torna-se desencarnada. Sem as obras de misericórdia, morre”, completou.

Os presos que participaram da celebração foram autorizados a sair temporariamente de dois presídios e um centro de detenção de jovens em Roma, capital da Itália. Os refugiados presentes eram da Síria, da Nigéria e do Egito.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui