Bolsonaro é incapaz de reagir à crise

As bolsas mundiais amanheceram em colapso nesta segunda-feira 9, com os preços do petróleo e o coronavírus

0
571
Jair Bolsonaro. (Foto: Evaristo Sá/AFP)

POR HELENA CHAGAS – Os Divergentes – JAV

Por aqui, ações e dólar acompanharam o clima, somando-se aos fatores que sustentam nossa própria crise. Pela primeira vez, analistas reduziram a estimativa de crescimento do PIB para menos de 2% em 2020. Já atravessamos outras crises internacionais. No passado recente, porém, nunca tão fragilizados do ponto de vista político e institucional.

O que acontece nessas horas? Diante da ameaça maior do colapso que vem de fora, governos e forças políticas costumam unir esforços contra o pior. Crises econômicas dessa dimensão obrigam os agentes políticos a colocar de lado desavenças momentâneas em favor de uma agenda única de salvação nacional, num pacto normalmente firmado no Congresso. Quando a situação melhora, voltam todos a brigar.

O maior drama neste momento não é a crise dos mercados que vem de fora e nem a crise econômica aqui dentro. É a instabilidade política que tem como origem o próprio presidente da República, justamente o personagem que, nessas horas, deveria ter papel agregador das forças políticas em torno do combate à crise.

Só que aqui e agora não. Jair Bolsonaro reage aos problemas jogando-os no colo dos outros — do Congresso, do Judiciário, da oposição. Convoca manifestações contra as instituições, em vez de agregá-las. É incapaz de reagir à altura do momento. O avião está caindo e temos a confirmação de que não há piloto mesmo a bordo.