Mecanismo adotado pela Petrobras deixa preço da gasolina estável por 15 dias

Estatal anunciou que utilizará um mecanismo financeiro para conter as variações do preço do mercado internacional sem 'abrir mão' da sua política de preços; Petrobras afirma que a ferramenta será utilizada pontualmente

0
849
Petrobras diz que estratégia no preço da gasolina concilia seus interesses, as demandas de clientes e de agentes de mercado (Arquivo/Agência Brasil)

A Petrobras anunciou um mecanismo financeiro que permitirá manter o preço da gasolina estável por até 15 dias nas refinarias. Como explica a estatal no anúncio divulgado nesta quinta-feira 6, esse preço representa cerca de um terço do valor do combustível vendidos nos postos ao consumidor final.

Sendo assim, entram na composição do preço da gasolina do consumidor, ainda, o custo do etanol, os impostos e as margens de lucro de distribuidoras e revendedores.

O mecanismo chamado de hedge – contrato que permite a venda ou a compra de um ativo no futuro por um preço negociado anteriormente – será utilizado pontualmente e tem como intuito reduzir as oscilações do preço do combustível sem afetar o resultado financeiro da estatal.

A nova ferramenta foi apresentada pelo diretor financeiro da Petrobras, Rafael Grisolia, e pelo diretor de refino e gás natural, Jorge Calestino.

Durante o anúncio, Grisolia e Calestino defenderam que o hedge é resultado de uma evolução na precificação de combustíveis no Brasil, e que não altera a política de preços da Petrobra .

“Em momentos de volatilidade [oscilações nos preços], a gente tem a responsabilidade de usar esses instrumentos de modo que o resultado financeiro da companhia não se altere”, disse Grisolia.

Como o preço da gasolina será contido?

Como foi citado anteriormente, em vez de reajustar os valores diariamente, a estatal terá o poder de segurá-los por um período máximo de 15 dias, mesmo realizando as operações financeiras no exterior com os preços internacionais.

Sendo assim, ao final do período, o reajuste final aplicado será sempre igual ao resultado das variações diárias do barril de petróleo internacional e do câmbio, de modo que a Petrobras mantenha a paridade com os preços do mercado externo, ou seja, mantendo a política de preços da estatal em vigor.

A decisão é vista como uma solução. Entretanto, Rafael Grisolia destaca que essa operação é apenas viável pelo período máximo de duas semanas, caso contrário, os resultados da Petrobras podem ser impactados.

Mesmo com hedge mudanças diárias podem acontecer

A empresa aponta que escolherá os momentos em que aplicará o instrumento e que utilizará como critério a elevada volatilidade do mercado. Sendo assim, o preço da gasolina nas refinarias continuará sujeito a mudanças até diárias, uma vez que esse mecanismo será utilizado durante o período de sua execução.

Fonte: Economia – iG / Com informações da Agência Brasil