Museu Paleo-Arqueológico e Histórico de Taió abre exposição de fóssil de Mesossauro

0
1193

São fósseis de animais teriam vivido entre 290 milhões a 248 milhões de anos atrás

O Museu Paleo-Arqueológico e Histórico prefeito Bertoldo Jacobsen realiza importante exposição a partir da próxima semana. Trata-se do fóssil do Mesosaurus Tenuidens Gervais. Os mesossauros representam a adaptação pioneira dos répteis ao ambiente aquático, durante o Período Permiano (entre 290 milhões a 248 milhões de anos atrás). Quando adultos mediam cerca de um metro de comprimento. Os mesossaurídeos foram um dos primeiros grupos de amniotas (animais que nascem de ovos) a adaptarem-se a um ambiente aquático marinho. Tinham corpo hidrodinâmico, mãos e pés com membranas interdigitais e cauda longa. O crânio de Mesosaurus tenuidens era alongado e a cavidade oral continha dentes muito longos, finos e numerosos. Sua alimentação consistia na ingestão de pequenos crustáceos.

Restos de mesossaurídeos são exclusivos, até o momento, das áreas da América do Sul (Brasil, Uruguai e Paraguai) e sudeste do continente africano, fornecendo evidências para a comprovação da teoria da Deriva Continental (continentes estiveram unidos no passado), por ser um animal costeiro, visto que não poderia ter atravessado o Oceano Atlântico.

“O Museu Paleo-Arqueológico e Histórico prefeito Bertoldo Jacobsen, de Taió, agradece a Arvelino Zaniz e família, bem como de forma especial ao seu filho Vilson Zaniz, por ter depositado confiança em resguardar fósseis de suma importância paleontológica, que engrandecem científica e historicamente o município de Taió”.

O museu abre de segunda à sexta-feira, das 08h às 12h e das 13h30 às 17h30. Sábados e domingos, com agendamento. A exposição do fóssil do Mesosaurus Tenuidens Gervais inicia-se na próxima terça-feira, 2 de maio, e é aberta à toda população.

O Museu

O Museu Paleo Arqueológico e Histórico prefeito Bertoldo Jacobsen foi inaugurado em 18 de dezembro de 2004, tem esse nome em homenagem ao primeiro prefeito do município de Taió e o objetivo de resgatar e preservar o acervo patrimonial do município.

Está dividido em três áreas de estudo: Paleontologia, Arqueologia e História Local. O foco principal é o resgate histórico cultural da colonização alemã e italiana do município, composta por cerca de 600 doações, entre fotografias e peças que pertenciam a famílias taioenses; visando a preservação da história taioense.

O prédio, onde o museu está localizado, faz parte dessa história, construído em 1937, serviu por anos como residência da família de Leopoldo e Lizette Jacobsen, passando posteriormente à Hospital São Francisco de Assis e, hoje, caracterizado como era a antiga residência da família Jacobsen, abriga o museu da cidade.