Frei Sérgio: Negou a vacina, agora nega comida

A causa real da fome é o total desprezo de Bolsonaro pelos que produzem alimentos para o mercado interno

0
178

Frei Sérgio Antônio Görgen – BdF / JAV

Inflação produzida pela política econômica de Guedes, somada a negação das pautas do campesinato por Bolsonaro resulta em panelas vazias para o povo – Reprodução

O aumento da fome e a inflação dos alimentos no Brasil são consequências de uma mesma causa: a baixa oferta de alimentos no mercado interno nacional.

É o que os especialistas da economia agrícola convencional chamam de “choque de oferta”, quer dizer, pouco alimento à disposição dos consumidores. Pela lei de mercado, quando tem baixa oferta e alta procura, os preços sobem. Quando os preços sobem, compra quem tem dinheiro e os mais pobres passam fome.

Claro que o desemprego e a falta de renda para grandes maiorias têm grande impacto também. Mas se tivesse maior poder de compra com baixa oferta, a inflação da comida seria ainda maior.

O problema de fundo é outro. Porque tem baixa oferta de produtos de consumo popular?

Os economistas do “choque de oferta”, liberais conservadores alinhados ao agronegócio, já estão começando a esboçar explicações para as causas desta baixa oferta: pandemia, estiagens e dólar alto.

Ora, a explicação da estiagem e da pandemia não se sustenta quando alardeiam a maior safra de soja da história do país. Então a pandemia e a estiagem impediram a produção de feijão, arroz, mandioca, batata, leite, hortigranjeiros, frutas e não na produção de soja?

Estiagem teve impacto, sim. Mas em parte. Câmbio (dólar) alto é uma consequência a mais da desastrada política econômica do Guedes.

Então, a causa real é a política do governo Bolsonaro de total desprezo pelos que produzem alimentos para o mercado interno: os camponeses, agricultores familiares, pequenos produtores, pouco importa a denominação. Foram abandonados pelo Estado brasileiro, que destruiu as políticas de apoio a este enorme grupo social e ao seu denodado trabalho de produzir o que enche de fartura as mesas do provo.

Jogados à lógica da concorrência desleal de mercado – Bolsonaro, Guedes e Tereza Cristina – fizeram com que suas terras e seus esforços fossem tragados pelo cultivo da soja com altos ganhos no mercado internacional e dólar alto. Só ação decisiva do Estado evitaria este desequilíbrio. Fez o contrário: expandiu da soja.

Os Movimentos Sociais do Campo e da Cidade – percebendo os efeitos e as consequências desta política desastrosa – propuseram uma proposta modesta para amenizar os efeitos desta política de desgraça, uma lei para estimular a produção de alimentos com fomento, crédito de emergência, aquisição de alimentos para doação, equação do endividamento e assistência técnica. Foi batizada de lei Assis Carvalho e aprovada com ampla maioria na Câmara e no Senado.

Bolsonaro vetou.

Novo Projeto de Lei, com conteúdo semelhante, foi apresentado este ano e está com prioridade de votação na Câmara. Governo Bolsonaro vai votar contra e se for aprovado, veta de novo.

Então está claro: Bolsonaro quer a fome e a careza dos alimentos.

Fome e corrosão do poder de compra do salário para milhões de famílias.

Negou vacina, agora nega comida.

Genocídio duplo. Negação da vacina tira a vida de idosos. Fome mata crianças.

Frei Franciscano, militante do MPA e autor de “Agricultura Camponesa Familiar: Indispensável Para Reconstruir o Brasil”