Gás de cozinha já custa R$ 105, Guedes prometia R$ 35

Em encontro com prefeitos em abril de 2019, o então "super" ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu, em dois anos, reduzir pela metade o preço do botijão de gás, em "um choque de energia barata”

0
57
Paulo Guedes (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Por Plinio Teodoro – RF / JAV

A medida que o tempo passa, a realidade se impõe para cada um dos 57.797.847 brasileiros que votaram em Jair Bolsonaro (Sem Partido) esperando que o então candidato e sua equipe cumprissem as promessas de campanha.

Vendido a R$ 105 em estados como Mato Grosso – e com projeções de R$ 200, segundo distribuidores, até o final do ano -, o preço do botijão de gás é um dos exemplos mais notórios.

Em encontro com prefeitos em abril de 2019, durante a 22ª marcha dos mandatários municipais à Brasília, o então “super” ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu, em dois anos, reduzir pela metade o preço do botijão de gás, em “um choque de energia barata”. À época, o produto custava cerca de R$ 69.

“Estamos dando um choque da energia barata, quebrando um duplo monopólio, tanto na extração e refino quanto na distribuição do gás. Vamos reindustrializar o país em cima de energia barata. Essa maior competição em petróleo e gás, aceleração do ritmo de extração desses recursos naturais vão acabar chegando no botijão de gás da família, diminuindo em 30%, 40%, até 50% o custo do gás lá no final da linha”, afirmou, sob aplausos dos prefeitos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui