Prefeitura e comunidade recuperam Presidente Getúlio

O município está em estado de calamidade pública reconhecida pelo Governo Federal

0
64
Colaboradores da prefeitura municipal trabalham na recuperação da cidade (Foto: ACPMPG)

Cansaço, mas muita resiliência e gratidão. É isso que os moradores de Presidente Getúlio, atingidos pela enxurrada, ocorrida entre os dias 16 e 17 de dezembro, sentem um mês após a tragédia.

Servidores públicos e população ajudam no que é preciso e seguem na esperança de dias melhores. O trabalho de limpeza continua e a reconstrução, já iniciada, ainda vai longe.

Hoje, são cerca de 60 funcionários públicos municipais, das Secretarias de Obras e Agricultura e do Saate, atuando diretamente na limpeza de ruas e recuperação de estradas, pontes, bueiros e tubulações.

Na Educação, aproximadamente 50 servidores de unidades educacionais não atingidas, atuam na EMEB Tancredo Neves e Ginásio de Esportes Pereirão. Eles fazem a recepção, triagem e distribuição das doações.

Outras frentes executam os trabalhos de recuperação do CEIM Dom Quixote, localizado no Centro, do Agostinho Sehnem, no bairro Revólver e do Pingo de Gente, no bairro Niterói, que além da perda de toda mobília e equipamentos, tiveram boa parte das estruturas danificadas. O objetivo é recuperar para poder atender as crianças, logo em fevereiro.

As unidades de Saúde do Centro e do Bairro Niterói, o Centro de Atendimento para Enfrentamento da Covid-19, bem como a sede da Secretaria, localizada na antiga Prefeitura também tiveram perdas, desde material, até estrutural. Equipes trabalham para recompor os postos.

A Secretaria de Saúde está situada no segundo andar da Prefeitura e o Centro de Atendimento para Enfrentamento da Covid está instalado no Salão Paroquial da Igreja Católica. O posto do Centro que também está em reconstrução, mantém o atendimento nos fundos da unidade.

Na infraestrutura da cidade, foram danificados ou destruídos, mais de 50 bueiros, cerca de 35 pontes e aproximadamente 14 mil metros quadrados de pavimentação. A soma chega a cerca de R$ 21 milhões em prejuízos.

A contagem dos danos segue no patrimônio público. A Administração Municipal realizou um levantamento, este enviado para a Defesa Civil Nacional. No documento, o valor chega perto de R$ 5 milhões, que inclui mobiliário, equipamentos, automóveis e máquinas das secretarias.

No meio privado, doações de materiais de construção e mão-de-obra possibilitam a recuperação de residências e empresas. Foram cerca de 40 casas totalmente destruídas e 80 danificadas. A conta feita pelo setor de Planejamento passa de R$ 6,5 milhões de prejuízos.

Eliseu Ewers, dono de uma oficina mecânica no Bairro Revólver, teve a casa e a única fonte de renda completamente destruídas. Hoje, através da ajuda de amigos e fornecedores, ele reconstrói o estabelecimento. “Uma pessoa doou tubos de concreto, outra deu a madeira, outra a cobertura e também teve gente que fez o frete de material sem cobrar nada”, conta.

O serviço essencial, realizado pela Secretaria de Assistência Social garantiu que as necessidades primárias dos cidadãos atingidos fossem atendidas. O acesso a alimentação, água e roupas iniciou no dia após a tragédia e segue até o momento, mas agora, acompanhado de doação de móveis.

A dona de casa, Maria de Lurdes Pereira, estava em casa com o marido no momento da tragédia e viu a água e a lama levando tudo aquilo que conquistaram durante a vida. Por duas semanas depois da enxurrada, eles foram abrigados na casa de amigos e receberam móveis de toda parte.

“Graças à solidariedade das pessoas, nós continuamos na nossa casa”, afirma o jovem Lucas Oliani. A residência onde moram ele e os pais, também foi atingida e até pensaram em se mudar, mas a ajuda recebida foi fundamental para a decisão de ficar e retomar a vida no mesmo lugar.

Aos poucos, Presidente Getúlio volta a ficar mais parecida com o que era. Comércios e empresas retornaram as atividades e seguem na tentativa de recuperar os prejuízos.

O prefeito Nelson Virtuoso lembra que, através do Badesc, pessoas jurídicas poderão obter empréstimos a juro zero, o que possibilitará a reforma de estrutura, compra de máquinas e equipamentos, recomposição de estoque, além de garantir capital de giro.

Presidente Getúlio está em estado de calamidade pública reconhecida pelo Governo Federal. Por meio da Defesa Civil, o município recebeu recursos da ordem de R$ 14,2 milhões, que estão sendo utilizados para limpeza e desobstrução de vias, reconstrução de pontes e bueiros, além do desassoreamento do leito do Ribeirão Revólver. O Governo do Estado depositou R$ 3 milhões para o município. O recurso já era garantido para revitalização de ruas do Centro, mas seria pago em parcelas, a partir de abril deste ano.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui