Ministério da Saúde anuncia plano de vacinação contra a Covid-19 com pouco planejamento

O plano foi anunciado sem apresentar alternativas para armazenamento das vacinas, como a logística será feita, se e quantas pessoas do Exército participarão da vacinação, etc. O ministério também não definiu a quantidade de insumos e salas de vacinação necessárias para realizar a imunização na população

0
70
Plano de vacinação do Ministério da Saúde não informa questões importante (Foto: REUTERS/Dado Ruvic)

Plano meia boca, como tudo nesse governo

O Ministério da Saúde apresentou um plano de vacinação sem informar questões importantes para que ele ocorra, como alternativas para armazenamento das vacinas, como a logística será feita, se e quantas pessoas do Exército participarão da vacinação e assim por diante.

O plano preliminar prevê a aplicação de vacina contra a Covid-19 em quatro fases e um contingente de 109,5 milhões de brasileiros imunizados em duas doses. 

A expectativa da pasta é começar a imunização em março, mas isso dependerá da aprovação de alguma vacina pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que tem sabotado o desenvolvimento de uma das vacinas mais evoluídas no mundo, a CoronaVac (vacina chinesa)

A primeira fase será para pessoas acima de 75 anos, profissionais de saúde, pessoas com 60 anos ou mais que vivem como asilos ou instituições psiquiátricas e para a população indígena.

A segunda fase, será para pessoas de 60 a 74 anos; a terceira, pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença (como portadores de doenças renais crônicas e cardiovasculares); e a quarta, professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e para a população privada de liberdade.

No entanto, o ministério também não definiu a quantidade de insumos e salas de vacinação necessárias para realizar a imunização na população.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui