(Charge)

Por Fernando Brito – Tijolaço / JAV

Em março de 1974, ao assumir o governo, o general Ernesto Geisel anunciou que a política externa brasileira, depois de uma década de um forte alinhamento com os Estados Unidos (embora nunca tenha sido completo, mesmo nos governos militares anteriores), seria a de um “pragmatismo ecumênico e responsável”.

Era o tempo da descolonização africana, da entrada da China como player global, do “movimento de países não alinhados” às superpotências – que o Brasil integrou como observador – e, de alguma forma, a retomada da surpreendente política de ampliação de nossas relações internacionais iniciada por, acredite, Jânio Quadros, no início dos anos 60.

Salvo por breves períodos no governo de Fernando Henrique Cardoso, são quase cinco décadas de uma política bem sucedida do ponto de vista comercial, embora muito pouco sob a ótica econômica, mas estes são outros 500, em razão da troca da industrialização pela financeirização como prioridade do país.

O que estamos assistindo agora – e a desavergonhada utilização de nosso país como instrumento de política eleitoral nos Estados Unidos deve ser mesmo algo alucinante para o profissionalíssimo corpo diplomático brasileiro. Mas também o seria para a geração de militares que, embora autoritários e ditatoriais, tinham uma linha de pensamento própria em relação ao Brasil que ia muito além da mera sabujice.

Um acordo de compra de trigo, outro de liberação de tarifas para o etanol de milho do estado de Iowa, onde Trump está muito abaixo de seus dias de glória e, agora, um mal arranjado acordo que surge, de repente, com providências apenas declaratórias e evitando ajustes tarifários que não passariam no Congresso dos EUA e a inacreditável pressão para banir empresas da China, disparado nosso maior parceiro comercial, tudo mostra que o Itamaraty, sob a energúmena direção de um olavista transformou-se num comitê eleitoral do Partido Republicano.

O Brasil perdeu seu papel tradicional de liderança latinoamericana (felizmente sem capacidade bélica para criar um incidente militar com a Venezuela), degradou suas relações com a União Europeia pela via ambiental, deixou o mundo árabe ressabiado com a “israelização evangélica” que assumiu, obrigou os chineses a recorrerem a Confúcio para não reagir às provocações da “primeira prole” e, agora, cede seus bons ofícios para que os EUA exerçam, sobre nós próprios, pressão contra a gigante chinesa das telecomunicações, a Huawei e sua participação da estruturação de redes 5G.

Francamente, é difícil imaginar um esmero maior em destruir, em apenas 22 meses, tanto esforço de gerações de brasileiros que, embora com fortes diferenças ideológicas, não atiravam ao lixo os interesses nacionais.

Mais ainda, porém. Nunca se viu tamanha imprudência diante de um cenário político-econômico cheio de incertezas, não apenas pelas eleições norte-americanas – em duas semanas e com um cenário sombrio para o atual ocupante da Casa Branca e com uma névoa opaca sobre o que será da economia mundial nos próximos meses, com o recrudescimento da Covid na Europa e uma grande interrogação sobre a capacidade chinesa de seguir expandindo, no mesmo ritmo de antes, a sua atividade econômica e, portanto, as suas importações do Brasil.

Estamos dando prioridade a uma economia em declínio, como a dos EUA, e dando quase uma banana para a que mais vigorosamente ascende no mundo. Pior, os afagos nos EUA são tapas em nossos próprios interesses, porque somos competidores no comércio e bem pouco complementares.

Também por conta disso, estamos perdendo para os chineses não apenas o mercado da Argentina (o quarto maior para produtos brasileiros) como, também, investimentos do país asiático que estão, cada vez mais, fluindo para os portenhos.

Trocamos, afinal, o “pragmatismo ecumênico e responsável” pelo “ideologismo sectário irresponsável”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui