Coronavírus: Rio do Sul adota medidas de prevenção

Saiba quando procurar o serviço público de saúde e quais os procedimentos já adotados com relação à doença

0
187
Os casos de coronavirus continua crescendo em SC, até o início da tarde desta segunda-feira eram seis (Foto: Divulgação / OMS)

A Secretaria de Saúde de Rio do Sul informa que neste momento de medidas preventivas contra o coronavírus, é importante que a população siga algumas recomendações.

Nem todo sintoma de gripe ou resfriado deve ser motivo para ida a hospitais ou a UPA 24h. O contato com outras pessoas doentes deve ser evitado, principalmente para a população idosa. Além disso, o excesso de pessoas nestes locais prejudica o atendimento dos casos mais urgentes e que podem significar sintomas do coronavírus de fato.

No caso de pessoas com sintomas como febre ou sintomas respiratórios, recomenda-se buscar atendimento inicialmente na unidade básica de saúde mais próxima de casa. Os setores de emergência devem ser reservados a casos graves como insuficiência respiratória.

Foi publicado ainda no Diário Oficial dos Municípios, decreto do prefeito José Thomé com um protocolo de ações para o município com base nas recomendações do Ministério da Saúde. Trata-se de uma ação de prevenção já que não há confirmação de casos na cidade.

Como medida de precaução, estão proibidos eventos, mesmo que voluntários, com mais de 500 pessoas ao ar livre ou 300 em local fechado, pelo prazo de 20 dias. Recomenda-se ainda que todos os eventos envolvendo idosos sejam suspensos, como os grupos da terceira idade ou de atividades físicas. O curso de gestantes oferecido pelo CAM, no bairro Santana, também será suspenso.

Um grupo formado por médicos, secretários municipais e técnicos de saúde para trabalhar a prevenção, atendimento à contaminados e eventual crise no município também está formado. “Nesse momento o melhor que podemos fazer é trabalhar a prevenção e preparar o município para respostas rápidas caso seja necessário” afirma. O Procon está autorizado a fechar estabelecimentos comerciais que seja flagrado praticando preços abusivos para produtos de grande necessidade neste período de prevenção, como máscaras ou álcool gel.

Nesta terça-feira, uma reunião está marcada na prefeitura para determinar novos planos em relação a prevenção ao coronavírus. A Secretaria de Saúde de Rio do Sul tem acompanhado as informações divulgadas pela Secretaria Estadual de Saúde e o Ministério da Saúde, com todos os protocolos necessários para acompanhamento e protocolos. Materiais educativos estão disponíveis nas redes sociais e site do município para orientação.

Concurso da guarda municipal de Rio do Sul está suspenso

Todas as etapas classificatórias do concurso público da Guarda Municipal de Rio do Sul estão suspensos. Com cerca de 1,1 mil inscritos de 14 estados do país, a determinação é evitar aglomeração de pessoas para o concurso que teria sua etapa inicial no próximo domingo, dia da prova escrita.

As fases seguintes também estão suspensas e não há prazo para novas atividades. Entretanto, está determinado que a divulgação da nova data e realização da prova tenha um prazo mínimo de pelo menos 30 dias de antecedência, para que o candidato possa se programar.

Atenção para eventos e atividades da prefeitura suspensas por tempo indeterminado

– Curso de gestantes realizado no CAM

– Encontros de idosos, tardes dançantes, ou atividades físicas realizadas na sede na Secretaria de Assistência Social

– Grupos de saúde de idosos nas unidades básicas de saúde

– Reunião do dia 24 de março, com grupo de saúde para os idosos do Centro e Jardim América na Unidavi

– 2ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência

INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O CORONAVÍRUS

Guia responde perguntas importantes sobre o novo vírus e traz recomendações

O que é coronavírus?

É uma família de vírus que podem infectar animais e seres humanos e causar doenças respiratórias que variam de resfriados comuns até a Sars (síndrome respiratória aguda grave). Seu nome vem dos picos de suas membranas que lembram uma coroa.

O novo coronavírus foi batizado de Sars-CoV-2, e o nome da doença respiratória que ele causa é covid-19.

Como prevenir a infecção pelo coronavírus?

Segundo a OMS, as medidas protetoras gerais são:

– Lave frequentemente as mãos usando água e sabão ou álcool em gel 70%, especialmente após contato com pessoas doentes, lugares muito movimentados (como transporte público) e antes de se alimentar

– Quando tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com as mãos (e lavá-las depois) ou com a dobra do cotovelo ou lenços descartáveis

– Mantenha pelo menos 2 metros de distância de quem estiver tossindo ou espirrando ou tenha febre

– Não compartilhe objetos de uso pessoal como talheres, toalhas, pratos ou copos.

– Mantenha os ambientes ventilados

– Evite tocar nos olhos, nariz e boca

A OMS aconselha o uso racional de máscaras para evitar desperdício, ou seja, usá-las apenas em caso de sintomas respiratórios, suspeita de infecção por coronavírus ou em caso de profissionais que estejam cuidando de casos de suspeita.

Transmissão:

O vírus é transmitido pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

– Gotículas de saliva;

– Espirro;

– Tosse;

– Catarro;

– Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;

– Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Quais são os sintomas?

Os sintomas mais comuns são febre, cansaço e tosse seca. Algumas pessoas têm dores no corpo, congestão nasal, coriza, dor de garganta ou diarreia. Uma em cada seis pessoas desenvolve dificuldade para respirar. Outras não desenvolvem sintoma nenhum, segundo a OMS.

Quais pessoas devem tomar mais cuidados?

Pessoas mais velhas e com doenças de saúde como pressão alta, diabetes e doenças cardiovasculares têm mais chance de desenvolver um quadro grave da doença.

Crianças, idosos e pacientes com baixa imunidade fazem parte do grupo de risco da doença e podem apresentar manifestações mais graves.

Gestantes sempre são incluídas em grupos de risco de doenças infecciosas porque durante a gestação o corpo passa por modificações imunológicas e hormonais, o que provoca respostas diferentes aos vírus.

Quais cuidados extras devem ser tomados pelos idosos?

Os riscos são maiores para os mais velhos. Por isso, o Ministério da Saúde orienta que idosos evitem viagens e ida a cinemas, shoppings, shows e locais de aglomeração. Este grupo deve vacinar-se contra a influenza e adotar medidas de prevenção como o resto da população, como lavar as mãos com regularidade e usar máscara caso apresente sintomas.

Há alguma forma de melhorar a imunidade de idosos? Como?

Não existe. Alimentação saudável e hidratação podem melhorar as condições físicas do indivíduo, mas não necessariamente reforçam a imunidade contra o coronavírus.

O que devo fazer se tenho sintomas?

Ao manifestar sintomas, procure uma Unidade Básica de Saúde próxima a sua residência —evite o pronto socorro, que são locais para casos graves.

Pessoas com quadros leves (pouca tosse, febre baixa, nariz escorrendo) devem ficar em casa com remédios para os sintomas, hidratação e repouso.

Já a falta de ar progressiva, a tosse intensa, catarro com pus, febre alta com calafrios e pontas dos dedos e lábios arroxeados são sinais de infecção grave pelo novo coronavírus. Nesse caso, é preciso ir a um hospital.

Devo fazer um exame para ver se estou com coronavírus?

As recomendações atuais indicam que sejam testados apenas os pacientes com sintomas respiratórios graves. Casos de menor risco devem passar apenas por exame clínico —presença de sintomas e exames de imagem.

O exame laboratorial só pode ser feito com solicitação médica. Ele é feito por hospitais públicos e privados e confirmado por laboratórios de referência espalhados pelo Brasil.

Devo procurar um serviço de saúde se viajei para algum dos países mais afetados mas não tenho sintomas?

Não. Atualmente, não há recomendação para que casos sem sintomas sejam testados para o novo vírus. É preciso evitar ir a hospitais, unidades de saúde ou a UPA 24h se não tiver sintomas da doença.

Álcool em gel e máscaras estão em falta?

No início de março, a OMS mostrou-se preocupada com a escassez de equipamentos de proteção, como máscaras, em alguns países. A entidade destacou que tais itens são importantes para a proteção dos profissionais de saúde que lidam diariamente com a doença. Sem esses equipamentos, os profissionais ficam mais expostos ao risco e podem adoecer, o que complica ainda mais a situação do surto, considerando que a resposta de saúde fica comprometida.

Somente pessoas com o covid-19 (ou com sintomas sugestivos) têm orientação do uso de máscaras para evitar propagar a doença.

Devo me preocupar com a chegada do vírus ao Brasil?

O Brasil teve o seu primeiro caso confirmado em fevereiro. Já há transmissão sustentada no país, ou seja, o vírus circula entre pessoas que não viajaram para áreas afetadas.

Até o momento, as recomendações não pedem alterações na rotina, mas apenas para redobrar o cuidado com a higiene respiratória.

Vou viajar para fora do país. O que devo fazer?

A OMS não recomenda nenhuma medida de saúde específica para viajantes além das medidas de proteção gerais já citadas nem qualquer tipo de restrição a viagens para a China ou de comércio com o país com base nas informações disponíveis até agora.

Se ao voltar ao Brasil surgirem sintomas como tosse, febre e falta de ar, procure ajuda médica e compartilhe seu histórico. O Ministério da Saúde do Brasil desaconselha viagens aos lugares mais afetados.

Fique tranquilo, mas atento!

A infecção por coronavírus é uma doença de baixa letalidade, pois 80% dos casos são leves. A maior preocupação é quando a doença atinge idosos ou pessoas com doenças crônicas.

Fonte: OMS, Ministério da Saúde, NYTimes, Folha de S. Paulo, Estadão, AFP e Reuters

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui