Moro foge de perguntas no Roda Viva: “Não cabe ao ministro ser comentarista”

Mesmo sem a presença de jornalistas do The Intercept, que divulgaram a Vaza Jato, o tema foi lembrado várias vezes

0
130
Moro foi questionado sobre parcialidade em seu trabalho como juiz (Foto: Reprodução)

O ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro, Sergio Moro, esteve no programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite dessa segunda-feira 20. Com respostas evasivas e com pontas soltas em seu discurso, o ex-juiz foi questionado sobre temas como escândalos no alto escalão do governo, assassinato da vereadora Marielle Franco e, especialmente, sobre a Vaza Jato.

Nenhum jornalista que trabalhou nas publicações de mensagens vazadas – e que mostraram que a Lava Jato foi uma operação coordenada por Moro para tirar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da disputa eleitoral de 2018 – foi convidado para fazer parte da bancada de entrevistadores. O caso repercutiu negativamente nas redes sociais que, de forma espontânea, começaram uma campanha para pedir a presença de alguém do The Intercept Brasil no programa. Não deu certo. De acordo com editorial do veículo que iniciou as investigações que incriminam Moro, os jornalistas presentes teriam passado por aprovação do ministro, o que foi negado pela âncora do programa, a jornalista Vera Magalhães, que estreava na função.

A Vaza Jato revelou que Moro atuou com parcialidade quando era juiz federal de primeira instância, formando um conluio com membros do Ministério Público Federal (MPF) para atingir objetivos políticos a partir da operação Lava Jato. Na prática, Moro atuou como chefe da operação e não como um juiz imparcial.

Questões

Mesmo sem jornalistas responsáveis diretamente pela Vaza Jato, o tema esteve presente em boa parte das perguntas. Como fala decorada, Moro desdenhou do escândalo. “A Vaza Jato é um episódio menor, nunca dei muita importância. Nunca entendi muito bem a importância daquilo. Foi utilizado politicamente para soltar pessoas condenadas por corrupção e enfraquecer o ministro”, disse.

Em outro momento, foi questionado sobre a parcialidade em seu trabalho como juiz. Moro repetiu que os vazamentos que deram origem à Vaza Jato são ilegais e devem ser desconsiderados. Por outro lado, vazou ilegalmente conversas entre a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em outro caso de evidente parcialidade, Moro adiou um depoimento de Lula que estava previsto para ocorrer pouco antes das eleições de 2018, alegando que tal evento poderia ter influência no processo (influência positiva para o PT). Contraditoriamente, o então juiz quebrou o sigilo de uma delação antiga do ex-ministro petista Antônio Palocci, que acabou publicada na imprensa seis dias antes do primeiro turno. Ou seja, adiou algo que poderia favorecer o PT e divulgou o que poderia prejudicar.

Nas duas questões, Moro se esquivou. “Quando fizemos o primeiro depoimento do Lula houve manifestações (…) No caso do Palocci, ele já tinha dado o depoimento. Não vi nenhuma importância”, disse, ao defender que o caso do Palocci foi “super dimensionado”.

Moro “liso”

Moro preferiu se esquivar de temas “delicados”, como o escândalo de corrupção envolvendo o filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro e o caso Queiroz; a manifestação aberta de nazismo do ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim; o caso de corrupção envolvendo o secretário de Comunicação do governo, Fábio Wajngarten; os ataques de Bolsonaro contra a liberdade de imprensa e jornalistas. “Não cabe ao ministro da Justiça ser comentarista sobre tudo”, foi a resposta padrão de Moro. “Não vim aqui falar sobre o presidente”, “Cabe ao presidente fazer avaliações” e “Não preciso ficar externando conselhos que dou ao presidente” foram algumas de suas respostas.

Enquanto isso…

Já que não foram convidados para o Roda Viva, jornalistas do The Intercept Brasil estiveram ao vivo acompanhando todo o programa e publicando comentários em suas redes sociais. Com uma audiência que chegava a 14 mil visualizações simultâneas, eles rebateram as esquivas de Moro e ainda deixaram uma série de perguntas que fariam se estivessem lá. Algumas boas perguntas foram feitas pela “bancada oficial”, como afirmou o editor executivo do veículo, Leandro Demori. A grande exceção foi Felipe Moura Brasil, da Jovem Pan, que pouco participou e, quando falou, mais pareceu um assessor do ministro, segundo os analistas.

Seguem algumas das perguntas do The Intercept Brasil que ficaram sem resposta:

  1. O senhor acha a delação de Palocci fraca, por que levantou sigilo seis dias antes das eleições? Nem mesmo o MPF aceitou fechar delação.

PS: Foi perguntado e Moro não respondeu.

  1. Deltan trouxe da Suíça, em segredo, um pendrive com informações de contas bancárias. Ilegalmente. Um procurador pode ir para um país estrangeiro sem autorização e usar no processo?

 

  1. O senhor acha normal que procuradores vazem informações para a imprensa para intimidar réus e delatores?

 

  1. O que acha da Lava Jato ter acessado clandestinamente o esquema de propinas da Odebrecht antes da autorização judicial? Pode ser usado no processo?

 

  1. Por que o senhor instruiu a Lava Jato a não apreender os celulares de Eduardo Cunha? O que tinha nesses celulares? Moro declarou ser contra uma delação do Eduardo Cunha, pediu para ser informado. Disse: “Como sabe, sou contra”. Por que era contra? Por que instruiu agentes a não apreenderem os celulares?

 

  1. O senhor autorizou uma devassa na filha de um investigado para tentar prendê-lo. Um cara que morava em Portugal. Há relatos de pressão, inclusive, contra uma criança de 7 anos. Acha normal isso?

 

  1. O que quis dizer com “In Fux We Trust”?

 

  1. Como Deltan conseguiu ganhar 400 mil reais em um ano, pelo menos, em palestras a partir da Lava Jato?

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui