O abacate era considerado um vilão da alimentação, mas estudos afirmam que ele propicia benefícios ao organismo (Foto: shutterstock)

O abacate surgiu na América do Sul e no México, mas por muito tempo foi considerado um dos vilões da alimentação. Apesar disso, a fruta tem importantes nutrientes e passou a ser incorporada em diversas receitas, como a de guacamole e de shakes, por exemplo.

Uma das queixas em relação ao fruto é o fato de ele ter um nível alto de calorias. “O abacate é uma fruta calórica e gordurosa. Porém, são gorduras saudáveis e calorias não vazias, ou seja, calorias que oferecem também diversos nutrientes ao nosso organismo”, afirma Renata Guirau, nutricionista da Oba Hortifruti.

“A mudança de pensamento ocorreu quando ficou claro que o problema não é o consumo de gorduras em si, mas o tipo de gordura consumida, a quantidade e também todo o contexto alimentar, focando não em um só alimento, mas na dieta como um todo”, complementa.

Renata destaca que estudos atuais contribuem para que o modo de pensar em relação ao abacate fosse desconstruído, inclusive no poder da fruta para perder peso. Segundo ela, dietas pobres em gorduras não são a solução para a obesidade, e, sim, o equilíbrio entre consumo calórico e a qualidade das gorduras, carboidratos e proteínas ingeridas.

Benefícios do abacate

A nutricionista reforçou que o abacate é rico em ácidos graxos – gorduras – e ômega 6 e ômega 9, considerados “gorduras boas”. Além disso, o alimento é repleto de vitaminas e minerais. Entre os principais componentes, Renata destaca:

Cálcio: importante para a saúde óssea, dentária, muscular e cardiovascular;

Potássio: atua no controle de eletrólitos no sangue e da pressão arterial, além de garantir saúde muscular;

Magnésio: participa da saúde óssea e muscular;

Zinco: tem ação antioxidante e no reforço da imunidade;

Vitamina E: tem ótima ação antioxidante e anti-inflamatória;

Vitamina A: tem ação antioxidante, atua na imunidade e no sistema reprodutivo.

A fruta também colabora com o pleno funcionamento da mente. Ela tem ação anti-inflamatória e um tipo de gordura chamado “bainha de mielina”, que ajuda a proteger o transporte de informações entre os neurônios. “O potencial antioxidante do abacate também pode estar relacionado com esse benefício em consumir a fruta”, conta a nutricionista.

A “gordura boa” é importante

De acordo com Renata Guirau, a gordura do alimento é popularmente conhecida como “gordura boa”, e ela ajuda a melhorar níveis de colesterol ao fazer com que se diminua o LDL – chamado colesterol ruim –e aumente o HDL – chamado colesterol bom.

Além disso, ele colabora na prevenção de doenças crônicas, em especial as cardiovasculares, por ter propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. “O abacate tem sido estudado como potencial auxílio para tratamento de outras doenças, como doenças intestinais, osteoartrite e diabetes, porém, mais estudos precisam ser feitos para comprovar essa ideia”, acrescenta ela.

Ele também ajuda a emagrecer

Se você quer perder peso, incluir o abacate na alimentação pode ser uma boa alternativa. “Esse teor aumentado de gorduras pode favorecer a saciedade, ajudando a controlar a ingestão de alimentos ao longo do dia”, pontua a nutricionista.

“Seu teor reduzido de carboidratos também pode ser um fator benéfico, dependendo da estratégia para emagrecimento que a pessoa se adapte melhor em seguir. Estudos atuais mostram que o consumo em geral de fontes de compostos funcionais, como o abacate, pode ajudar no controle do peso e redução da obesidade em longo prazo”, reforça.

Renata enfatiza que o consumo recomendado da fruta varia de pessoa para pessoa, mas, no caso de quem deseja perder peso, é ideal ingeri-la em momentos cujo objetivo é aumentar a saciedade da refeição.

Em relação aos exercícios, a fruta, justamente pela presença de gordura – que são fontes de energia –, também atua de modo positivo ao melhorar o rendimento das atividades.

“Porém, algumas pessoas podem não sentir esse efeito e precisar de fontes de carboidratos para garantir a qualidade na prática de atividades físicas. Isso porque as gorduras são mais difíceis de serem utilizadas como fonte de energia, embora ofereçam mais calorias que os carboidratos, por exemplo”, explica Renata.

“Além disso, as gorduras têm mais difícil e lenta digestão, podendo causar desconfortos se for consumida em horário muito próximo à prática esportiva. Portanto, o abacate pode ser uma opção de alimento energético para ser consumido antes dos treinos, mas não é todo mundo que se beneficia dessa estratégia”, esclarece.

Como inserir o abacate na rotina?

O abacate não tem nenhuma contraindicação, desde que seja consumido em quantidades moderadas. Renata Guirau diz que incluir a fruta no café da manhã e nos lanches intermediários são uma boa alternativa para colocá-la no cardápio diário, além de também poder ser feita em shakes ou ser servida picada com canela.

Em refeições, ela pode compor saladas ou até aparecer na forma de guacamole. “O óleo de abacate também é uma boa opção para ser incluída no preparo dos alimentos, com boas propriedades nutricionais”, finaliza a nutricionista.

Fonte: Delas – iG 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui