Socorro! Beatles comunistas e fascismo de esquerda: doidos assumem a cultura

Jornalista Ricardo Kotscho avalia os perfis dos escolhidos por Jair Bolsonaro para comandar áreas relacionadas à Cultura no governo: Roberto Alvim, novo secretário de Cultura, Dante Mantovani, presidente da Funarte, e Rafael Nogueira, presidente da Biblioteca Nacional. "Quando esse governo acabar, vão faltar vagas no manicômio judicial"

0
611
Para o Jornalista Ricardo Kotscho, “doidos assumiram a cultura nacional” (Foto Montagem: B.247)

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho e para o Jornalistas pela Democracia – JAV

“Acalmem-se! Sim, ele é louco, mas não será tão ruim assim. Afinal, somos uma democracia e temos uma constituição. A Constituição o deterá” (chamada de capa do jornal alemão CV-Zeitung de 2 de fevereiro de 1933, voltado à comunidade judaica, logo após a posse de Hitler).

***

Sob o comando do dramaturgo e diretor Roberto Alvim (quem? alguém já ouviu falar?), novo secretário da Cultura, agora homiziado no Ministério do Turismo, continua a “grande reforma” anunciada para trocar os atuais dirigentes pela fina flor do manicômio particular de Olavo de Carvalho.

De Richmond, na Virgínia, o autointitulado filósofo e youtuber, que nas horas vagas caça ursos e controla as áreas de Educação e Cultura do governo federal, orienta Alvim em sua guerra contra o “marxismo cultural”.

Para a presidência da Funarte (Fundação Nacional das Artes) o secretário da Cultura recrutou um certo maestro Dante Mantovani, também youtuber, que em suas redes sociais já afirmou que o fascismo é de esquerda, “fake news é um conceito globalista para impor a vontade da imprensa” e a Unesco é “uma máquina de propaganda a favor da pedofilia”.

Mantovani é mais um membro da Cúpula Conservadora das Américas que chega ao governo com todas as credenciais do bolsonarismo mais tosco, capaz de escrever coisas assim:

“Na esfera da música popular, vieram os Beatles, para combater o capitalismo e implantar a maravilhosa sociedade comunista”.

Nem Abraham Weintraub e sua parceira de estultices Damares Alves tinham chegado a tanto.

A Folha escalou três repórteres para conhecer o pensamento dos novos dirigentes e descobriu coisas assim, da lavra do maestro Mantovani, para quem “o rock de Elvis Presley e dos Beatles fariam parte de um plano para vencer os Estados Unidos e o capitalismo burguês a partir da destruição da moral da juventude e das famílias”. Leiam:

“O rock ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto. E a indústria do aborto alimenta uma coisa mais pesada, que é o satanismo”.

Outro aluno de Olavo de Carvalho que sai do anonimato, é um tal de Rafael Alves da Silva, que usa o nome artístico de Rafael Nogueira, nomeado na segunda-feira 2, novo presidente da Biblioteca Nacional.

Nas suas redes sociais, Nogueira quase nada fala de livros e de literatura, mas pontifica sobre fraudes nas urnas eletrônicas e a obra de Olavo de Carvalho entre outros delírios.

Em seu perfil no Twitter, onde tem 40 mil seguidores, Nogueira publicou:

“Cadê nossa literatura? Quem é o herdeiro de Machado de Assis? Cadê a nossa filosofia? Espero que o legado de Olavo de Carvalho resolva”.

Vamos aguardar. Na reportagem da Folha, ficamos sabendo também os motivos da falência da Educação brasileira, segundo o presidente da Biblioteca Nacional:

“Livros didáticos estão cheios de músicas de Caetano Veloso, Gabriel O Pensador, Legião Urbana. Depois não sabem por que está todo mundo analfabeto”.

Esse certamente não deve ser o caso dele, que agora vai cuidar de uma das principais instituições culturais do país, com um acervo de livros que começou a ser catalogado nos tempos do Império.

No seu currículo acadêmico, ficamos sabendo que o discípulo de mestre Olavo de Carvalho já deu aulas particulares de humanidades e de redação para o Enem.

Entre uma e outra nomeação, Roberto Alvim, que já teve a coragem de chamar nossa grande atriz Fernanda Montenegro de “sórdida”, agora vai ter que se explicar ao Ministério Público Federal.

O MPF abriu uma investigação criminal para apurar se ele violou a Lei de Licitações ao convidar a própria esposa, a famosa atriz Juliana Galdino, para assumir a direção artística do Teatro Plínio Marcos, em Brasília.

Para convencer a mulher a aceitar esta missão, Alvim entregou-lhe um orçamento de R$ 3,5 milhões em verbas federais.

A maracutaia foi denunciada quando ele ainda era diretor de Artes Cênicas da Funarte. A pena prevista para quem dispensa concorrência fora das normas legais é de três a cinco anos de prisão.

Quando esse governo acabar, vão faltar vagas no manicômio judicial.

“Gaiola das Loucas”, como era conhecida a antiga Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, pode ser o novo nome do extinto Ministério da Cultura, agora rebaixado para ser uma repartição do Ministério do Turismo, aquele do laranjal de Minas.

Vida que segue.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui