Criminosas usam da ingenuidade das vítimas (Foto: Unsplash)

Black Friday chegando e os golpes e fraudes online seguem acontecendo. Com os avanços da tecnologia, avançaram também as formas de se conseguir roubar dinheiro. Hoje, a maioria dos golpes e fraudes consegue tirar do consumidor dados e senhas importantes, que permite aos criminosos acesso ao dinheiro da vítima. Hoje, 70% dos golpes digitais envolve a captura de dados pessoais e senhas.

É no ambiente digital que as pessoas ficam mais vulneráveis, sobretudo em períodos do ano nos quais as promoções se tornam regra. Durante a Black Friday que acontece em novembro, por exemplo, pode ficar mais difícil distinguir o que é uma promoção verdadeira do que é uma fraude online. 

Por isso, em época de Black Friday ou não, é muito importante saber reconhecer os principais golpes aplicados digitalmente. Separamos os X principais para você ficar atento, e explicamos como evitá-los. As dicas são da Federação Brasileira de Bancos, a Febraban, que promove a Semana da Segurança Digital. De modo geral, a principal dica é: desconfie sempre e, na dúvida, não passe qualquer tipo de dado. 

  1. Promoção falsa – A promoção falsa é muito comum, sobretudo, em datas comemorativas. Nelas, o internauta recebe uma mensagem ou e-mail com um link para uma promoção. Neste link, a pessoa pode realizar a compra de um produto que nunca chega ou, pior ainda, ceder seus dados bancários para criminosos que os utilizarão para fazer transações com o dinheiro da vítima – a prática é chamada de phishing . Para evitar cair nesse golpe, as dicas são as seguintes:

Verifique se o endereço do site é verdadeiro. Sites que praticam phishing geralmente têm a URL muito parecida com a do site copiado, mas com alguma letra ou símbolo diferente;

Para garantir, não clique no link recebido, mas procure pela promoção no site da loja em questão;

Prefira comprar em sites conhecidos;

Não use computadores públicos para realizar compras online;

Mantenha seu antivírus atualizado;

Não repasse nenhum código fornecido por SMS ou imagem de um QR code enviado para autenticar alguma operação.

  1. WhatsApp clonado – Em um dos golpes online, os criminosos clonam o WhatsApp de uma pessoa. Os hackers fazem isso se passando por serviços de atendimentos de sites de compras, e acabam clonando a conta. Depois disso, usam a conta clonada para enviar mensagens aos amigos da vítima pedindo dinheiro emprestado. Para não passar por essa fraude, siga as dicas:

Habilite a configuração “Confirmação em duas etapas” no aplicativo do WhatsApp. Assim, você cadastra uma senha que será solicitada pelo aplicativo toda vez que o número for verificado, provando que você é realmente o dono da conta. Para ativar o recurso, vá em Configurações/Ajustes > Conta > Confirmação em duas etapas;

Sempre duvide de serviços de atendimento entrando em contato;

Não compartilhe nenhum código fornecido por SMS ou imagem de um QR code enviado para autenticar alguma operação;

Se algum amigo pedir dinheiro emprestado pelo WhatsApp, ligue para confirmar. 

  1. Golpe por telefone – Nesse golpe, a vítima recebe uma ligação telefônica de alguém se passando por uma central antifraude de seu banco. Geralmente, esses golpes são muito bem articulados, inclusive usando gravações e menus, para que o consumidor realmente pense que a história é verdadeira. Nessas ligações, os criminosos pedem os dados bancários da vítima, que pode acabar com a conta limpa. Nesse caso, vale ressaltar que os bancos nunca ligam pedindo dados pessoais e, portanto, desconfie quando isso acontecer. Além disso, siga as dicas:

Em nenhuma situação, passe sua senha do banco ou os dados do seu cartão de crédito por telefone; Na dúvida, desligue e contate seu gerente. 

  1. Golpe do motoboy – O golpe do motoboy é parecido com o do telefone, já que os criminosos se passam por funcionários do banco da vítima. Nesse caso, a pessoa ao telefone diz que o cartão do cliente foi fraudado, e que um motoboy do banco pode ir buscar o cartão, desde que a vítima informe a senha. Com cartão e senha em mãos, os criminosos roubam todo o dinheiro da pessoa. Para evitar cair nesse golpe, saiba:

Nenhum banco oferece esse tipo de serviço;

Nunca passe senhas por telefone;

Ao inutilizar um cartão, corte o chip ao meio e nunca o entregue a outra pessoa;

Na dúvida, desligue o telefone e contate seu gerente. 

  1. Golpe da troca de cartões – Esse golpe acontece pessoalmente, geralmente com vendedores ambulantes ou taxistas mal-intencionados. Quando você passa o cartão na maquininha, o vendedor fica de olho na senha e, na hora de devolver o cartão para você, rapidamente o troca por outro similar. Assim, o criminoso fica com cartão e senha da vítima. Para evitar cair nesse golpe, siga as seguintes dicas:

Sempre fique atento se o vendedor está olhando a senha que você digita;

Confira se o que aparece escrito no visor da maquininha corresponde à sua compra;

Sempre cheque se o cartão que pegou de volta é realmente o seu. 

  1. Dupla operação – Parecido com o golpe da troca de cartões, nesse caso o criminoso finge que a primeira compra deu erro, fazendo a vítima efetuar duas compras na maquininha. Para não cair nesse golpe:

Baixe o aplicativo do banco e ative as notificações a cada compra;

Sempre peça o comprovante das transações;

Confira no leitor da maquininha se o valor da compra está correto.

Fonte: Tecnologia – iG 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui