Na prestação de contas de Bolsonaro, não foi incluído o alto custo das contribuições empresariais com a contratação de mensagens em massa (Foto: Divulgação)

Leia abaixo a íntegra do artigo:

  A fraude eleita

A campanha que resultou na eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência foi beneficiada por fraude das normas eleitorais. A legitimidade da posse de Bolsonaro e do seu cargo presidencial é, portanto, no mínimo questionável e pode mesmo ser insustentável.

Este é o significado objetivo da admissão do WhatsApp de que foi usado, em “violação aos seus termos de uso”, em “envios maciços” de mensagens “para atingir um grande número de pessoas”. A afirmação é do gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, Ben Supple, em palestra no Festival Gabo (Colômbia). Foi publicada na pág. A8 da Folha da última quarta-feira 9.

O representante do WhatsApp não mencionou Bolsonaro. Nem precisava, para expor o comprometimento dessa campanha com indução automatizada, como são os softwares de mensagens enviadas a milhares e milhões —prática vedada pelas normas eleitorais brasileiras.

Já em 18 de outubro de 2018, no mês da eleição, a repórter Patrícia Campos Mello revelou na Folha que as agências Quickmobile, CrocServices e Yacows, entre possíveis outras, foram contratadas por empresários pró-Bolsonaro para disparo de mensagens em massa. Eram de propaganda do candidato ou, sobretudo, de ataque a adversários.

Àquela revelação seguiu-se uma série de outras, desvendando parte do que Patrícia Campos Mello chamou de “submundo dos disparos em massa” na eleição brasileira. Não eram, mesmo, só crimes eleitorais. Para cometê-los em maior abundância, foram utilizados falsamente CPFs, sem conhecimento dos seus detentores, e até empresas fantasmas. Crimes comuns, próprios de estelionatários. Cometidos por alguns empresários já conhecidos e outros identificáveis sem dificuldade. Com gastos não declarados ao Imposto de Renda nem à Justiça Eleitoral. Logo, crimes de caixa dois e de outras adulterações contábeis.

Já às revelações preliminares, por sua gravidade, o Tribunal Superior Eleitoral abriu procedimento para a praxe de “apurar os fatos”. Mas punida (com multa) foi, como se poderia esperar, a campanha de Fernando Haddad, acusada de ativar um site contra Bolsonaro. O ministro Edson Fachin considerou que tal prática desequilibrou a disputa. A balança da Justiça tem sensibilidades exclusivas.

A candidatura Bolsonaro não limitou seu benefício, entre as transgressões suscitadas, a ações eleitoreiras por meios automatizados e em massa. Essas mensagens estavam repletas de fake news caluniosas, com Haddad como alvo preferencial. Outra exigência legal descumprida é da inclusão de empréstimos de aviões, carros, escritórios e apoios materiais em geral no custo declarado da campanha. Nas contas eleitorais de Bolsonaro, que se gaba do “gasto de só R$ 2 milhões na campanha”, não foi incluído o alto custo das contribuições empresariais com a contratação de mensagens em massa. Burla que se repetiu como fraude na prestação de contas à Justiça Eleitoral.

Nada disso despertou a atenção dos que conduzem as instituições ditas democráticas.

# Nem a medieval Tradição, Família e Propriedade resistiu aos tempos bolsonaros: a TFP rachou. O grupo no poder interno, encabeçado por Sérgio Diniz na linha do precursor Plínio Correia de Oliveira, acha que um outro, adversário, sabe como saiu do patrimônio, e para onde foi, uma dinheirama sumida. A família já não está unida, vê-se que a propriedade já não é garantida, mas uma certa tradição está viva e ativa.

# Insultada por palavras sórdidas de um sujeito sórdido, Fernanda Montenegro recebeu o afago solidário, fosse explicitado ou não, de todos os que podem importar, aqui, em algum sentido. A referência aparente na reação foi o fascínio pela atriz, mas o que mais comoveu e moveu foi, com certeza, a pessoa, foi a mulher, foi a claridade com que Fernanda Montenegro construiu 90 anos, a se completarem na próxima quarta-feira 16, da árdua e brava arte da dignidade. E ainda nos doou Fernandinha Torres, talento fenomenal.

“Prólogo, Ato, Epílogo”, de Fernanda Montenegro, claro.

Fonte: Folha de São Paulo – PV

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui