A Farmácia Solidária está localizada na Rua Oscar Barcelos, próximo ao Museu Histórico (Foto: AscomRS)

Dois anos após ser aberto, o Centro de Atenção Farmacêutica (CAF) de Rio do Sul já teve pelo menos 28 mil atendimentos e 11 mil pessoas recebendo algum tipo de medicação pelo programa Farmácia Solidária. O espaço na Rua Oscar Barcelos, próximo ao Museu Histórico, foi aberto em setembro de 2017 pela Secretaria de Saúde visando facilitar o acesso da população aos medicamentos. No local foi aberta a Farmácia Central, espécie de “filial” da Farmácia da Policlínica, e o programa Farmácia Solidária. Rio do Sul é a terceira cidade de Santa Catarina a disponibilizar o programa Farmácia Solidária à população.

Atualmente, cerca de 130 medicamentos fazem parte da lista de distribuição da Farmácia Central e, em geral, são os mesmos encontrados nas farmácias das unidades de saúde nos bairros.

A grande diferença neste caso é que através da Farmácia Solidária, a Secretaria de Saúde recebe medicamentos doados por consultórios médicos e que podem ser repassados gratuitamente para a população. Estes remédios não estão padronizados na lista dos gratuitos fornecidos pelo SUS, contribuindo para que o paciente que está em tratamento, não precise comprar nas farmácias comerciais.

O número de pacientes beneficiados não para de crescer. Somente em agosto, 1.292 pessoas tiveram o pedido atendido. Só pode ser feita a retirada mediante apresentação de receita médica e cartão do SUS. Se fosse para comprar em uma farmácia convencional, o gasto nestes itens em agosto seria de aproximadamente R$ 30,4 mil reais, um valor 7% a mais do que no mês de julho (R$ 28,4 mil) e 78% mais do que no mês de junho (18,7 mil). Há medicamentos para tratamento de diabetes, hipertensão, anti-inflamatórios, contraceptivos, relaxante muscular, entre outros.

A dinâmica é simples: muitos laboratórios distribuem medicamentos para os médicos, clínicas e consultórios, mas que nem sempre repassam o material em sua totalidade aos pacientes particulares. Então, a Secretaria de Saúde recebe através de doação o excedente e disponibiliza para população de forma gratuita. Grande parte destes remédios não estão disponíveis no SUS, e a população teria que adquirir nas farmácias particulares

A equipe de farmacêuticos da Secretaria de Saúde analisa os medicamentos recebidos e faz a distribuição aos pacientes que apresentam receita médica válida. Aqueles que não estão dentro do padrão de qualidade são repassados a uma empresa especializada que se encarrega pelos procedimentos de descarte.

A secretária de Saúde, Sueli de Oliveira, salienta que a economia que o paciente tem com a entrega deste tipo de remédio beneficia muito quem está em tratamento. “É uma economia grande para o paciente, que precisa muitas vezes comprar o material constantemente, por tratar de uma doença crônica. Esta parceria com os médicos é muito importante pois facilita a vida de quem mais precisa”, destaca.

A farmacêutica, Paola Sofka Ramos, diretora de Assistência Farmacêutica, enfatiza que a grande contribuição da Farmácia Solidária é oferecer medicação que não faz parte dos medicamentos padronizados da rede básica, e que as doações dependem da quantidade de medicamentos recebidos de clínicas e consultórios.

“Temos que ter orgulho de Rio do Sul contar com a terceira Farmácia Solidária do Estado de Santa Catarina. Alguns medicamentos custam mais de R$ 100 na farmácia. Não há dúvida de como isso beneficia uma pessoa que está em tratamento e precisa sem falta de medicação”, comenta.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui