Oposição lança frente parlamentar contra retrocessos do governo Bolsonaro

Frente parlamentar mista criada para defender democracia e direitos humanos conta com apoio também de entidades. No Rio, representantes de diversas áreas reorganizam instituto para defender o país

0
1010
Propostas em defesa do Brasil e contra retrocessos do novo governo, quer projeto mais cidadão para desenvolvimento

Lançada na terça-feira 12, em Brasília, a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Democracia e dos Direitos Humanos criada por partidos que compõem a bancada de oposição ao governo Bolsonaro. Em parceria com mais de 50 entidades da sociedade civil, o grupo buscar barrar propostas e iniciativas que resultem em retrocessos sociais.

De acordo com reportagem do Seu Jornal, da TVT, o objetivo é que seja desenvolvida também uma ampla agenda para garantir uma segurança pública cidadã, impedir a “reforma” da Previdência, defender a Justiça do Trabalho, o meio ambiente, as demarcações de terras indígenas em respeito às garantias constitucionais para comunidades e povos tradicionais, e reverter a “reforma” trabalhista implementada no governo de Michel Temer.

“Eles se autoafirmam defensores de pautas extremamente reacionárias, conservadoras e genocidas. A tarefa dessa frente é estimular e fortalecer os parlamentares aqui (no Congresso Nacional) e também usar o exemplo de coragem dos parlamentares para influenciar a mobilização nas ruas”, ressalta o membro do conselho geral da União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e Classe Trabalhadora (ONG Uneafro) Douglas Belchior.

Em defesa do Brasil

Também na terça-feira 12, no Rio de Janeiro, lideranças partidárias, autoridades, movimentos sociais, pesquisadores e militantes de diferentes campos progressistas, reuniram-se em evento para reorganizar o Instituto Brasileiro de Estudos Políticos (Ibep), criado em 2013.

O objetivo da instituição, de acordo com os organizadores, é ser um instrumento de pesquisa, reflexão e formulação de ações teóricas e práticas para o fortalecimento da democracia.

“A ideia é refletir o Brasil no seu conjunto porque nós não vamos sair do buraco que estamos entrando se não tivermos pensado conjuntamente a estratégia tática e política, os atores, as coalizões para enfrentar esse grande desafio diante do conservadorismo que estamos vivendo agora”, explica a pesquisadora Sônia Fleury à repórter Viviane Nascimento, do Seu Jornal.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui