Haddad critica submissão de Bolsonaro a Trump: ‘acoplamento cego’

Ex-prefeito de São Paulo está nos Estados Unidos para lançamento de uma coalizão internacional progressista

0
637
Fernando Haddad anunciou que, nesta viagem aos Estados Unidas, ingressará com uma ação judicial contra o WhatsApp

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) criticou a submissão do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), às ideias do líder americano Donald Trump. Durante o evento “Brazil Talk: O Brasil após as Eleições”, na Universidade de Columbia-EUA, ele classificou o direcionamento da política externa como “cego e sem mediação”.

“Esse movimento do Brasil em direção aos Estados Unidos, de um acoplamento quase que sem mediação, cego – esse movimento ‘vamos fazer tudo o que os EUA quiserem, os Estados Unidos de Trump’ –, vai moldando uma nova ordem, vai comprometer conquistas que são caras do que a gente chama de Ocidente”, disse ele, durante a palestra.

Haddad, também, falou sobre a utilização das redes sociais, em diversos países, como plataforma de disseminação de mentiras que interferem no pleito eleitoral. Segundo ele, o PT não estava preparado para os ataques na última semana do primeiro turno, quando foram disparadas diversas notícias falsas em massa, via WhatsApp, contra o petista, alavancando sua taxa de rejeição em 20%.

“Aquilo definiu a eleição. A gente não tinha como reparar por completo aquele prejuízo”, afirma ele, que critica a falta de investigação contra o aplicativo de troca de mensagens. “Brasil, Estados Unidos, Reino Unido e Itália vivem no mesmo fenômeno de operação de rede. As ações do Facebook caíram e no WhatsApp, que possui um sistema de pessoa para pessoa, não há como rastrear, ou seja, podem fazer milhões de disparos com notícias falsas, mas sem identificar quem enviou”, finaliza.

No último dia 21, Fernando Haddad anunciou que, nesta viagem aos Estados Unidos, ingressará com uma ação judicial contra o WhatsApp no país-sede da empresa – o aplicativo pertence ao Facebook. O objetivo, de acordo com ele, é forçar a empresa a esclarecer como o aplicativo de rede social foi utilizado no Brasil para a disseminação em massa de notícias falsas durante o período eleitoral.

Ainda neste mês, o WhatsApp informou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que não teria sido contratado pela campanha de Bolsonaro para fornecer “serviços de impulsionamento de conteúdo na rede mundial de computadores”, mas não informou nada sobre as empresas que prestaram serviço e fizeram uma avalanche de mentiras pelo aplicativo, como foi denunciado pelo jornal Folha de S.Paulo.

O ex-candidato à Presidência pelo PT está nos Estados Unidos para o lançamento de uma coalizão internacional progressista idealizada pelo senador americano, Bernie SandersM e pelo ex-ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, nESTE sábado 1º, em Nova Iorque.

Na agenda de Haddad ainda também estão previstas conversas com a centro-esquerda europeia, também ameaçada pela onda conservadora. De acordo com ele, o Podemos da Espanha, a Geringonça, de Portugal e partidos progressistas da Itália, França e Alemanha, também preocupados com a ameaça de cortes de direitos sociais em seus países. (RBA)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui