Se alguma ação do governo do prefeito José Eduardo, o burgo mestre II, suscitou dúvidas e merecem explicações, o povo deve saber

Por Luiz Carlos Dacol, jornalista

0
1396

A piada do ano

“Torço pelo sucesso do novo presidente da República. Quero que o Brasil cresça e avance ainda mais do que no período em que estive à frente da administração federal.” Autor: Michel Temer.

Vamos ver, o resultado das ações do governo temer, por exemplo, 12,5 milhões de desempregados, 27 milhões em subempregos, sem dignidade, universidades e setor de pesquisas falidos, reforma agraria parada, nenhum assentamento em seu governo, minha casa minha vida paralisado, a volta da fome, estados e municípios no vermelho e assim vai… Pior, tem quem acredita.

Se o bolso avançar como avançou no governo dele, Michel Temer, os ricos continuarão cada vez mais ricos e os pobres mais pobres. Porém, pelos primeiros passos do “senhor bolso”, tudo indica que será ainda pior. Prenúncio de tempestades com furacões e raios, que já começou na Saúde com a saída dos médicos cubanos.

Pois é: Pedidos de Informações

O Observatório Social de Rio do Sul recomendou aos vereadores intensificação das atividades de fiscalização do governo municipal. Além de discutir e aprovar leis é missão primordial dos legisladores fiscalizar as atividades do executivo.

Temos acompanhado o trabalho do vereador Nandu. São constantes seus pedidos de informações ao gabinete do prefeito, além dele, a Zeli tem sido bastante ativa neste quesito. O assunto não é divulgado. A assessoria da Câmara tem sido espartana ao divulgar qual é a informação solicitada, Apenas, pedido de informação número de autoria do vereador tal.  Além de pouca notícia, o resultado desses pedidos, dificilmente chegam em linguagem acessível à gente rio-sulense.

Se alguma ação do governo do prefeito José Eduardo, o burgo mestre II, suscitou dúvidas e merecem explicações, o povo deve saber. O povo precisa tomar conhecimento de que tudo está caminhando dentro da lei ou não, que atividades do executivo têm resultado em benefícios à comunidade, se os famigerados cortes da administração têm contemplado a todos ou são apenas marketing, que acabam prejudicando a qualidade do atendimento.

Com a grande atividade das redes sociais, a demissão de um comissionado pode receber milhares de aplausos, porque se divulga o ato, mas nunca as consequências. Também, serve de cortina de fumaça para esconder que nenhuma das macro obras, prometidas em campanha, saíram do papel. A atual administração caminha para o terceiro ano, a Estrada Blumenau, por exemplo, até agora apenas recebeu operação tapa buracos.

O Burgo Mestre II, expulso do seu partido por práticas que lhe são corriqueiras desde que entrou na vida pública – falta de lealdade aos companheiros – não pode esperar nada do Comandante Moisés, que ele apoiou. O novo governador vai receber o Estado com um rombo de mais de R$ 2,5 bilhões, portanto os primeiros anos de governo serão de colocar a casa em dia. E o governo federal? Eu não esperaria nada de lá! Pelo andar da carruagem vai ser uma decepção.

Concluindo: Nandu, Zeli e companheiros vamos divulgar amplamente os pedidos de informações. Conto com vocês!

Ser jovem em um País com a democracia ameaçada

Para nós, jovens, o cenário posto não será nada fácil. Crescemos em uma democracia, passamos a nos habituar com aqueles e aquelas que são “diferentes”, pois sabemos que na verdade isso que nos faz sermos iguais!

Não será nada fácil ter que entender que é errado falar de feminismo em uma sociedade com altos índices de feminicídio, não será nada fácil ter que entender que o outro ou a outra não poderão expressar seus afetos porque somos um dos países que mais comete crimes de homofobia, não será nada fácil não poder escancarar o racismo velado que ainda existe dentro de muita gente … Não será nada fácil sermos impedidas e impedidos de podermos gritar para todo mundo o quanto a dor do outro dói na gente, porque toda vez que morre um (a) de nós, morre um pedaço da gente! (Letícia Espíndola – Representante da Juventude do PT)

Curtas

  • Prefeitos do Alto Vale e de regiões de influência do deputado que quer colocar armas nas mãos do povo, que por ele foram cooptados a apoiar Bolsonaro, devem estar dando pulos de alegria com a saída dos médicos cubanos de seus municípios.
  • Do total de 140 municípios catarinenses com atuação dos cubanos, em 91 deles o médico de Havana é o único profissional do Programa Mais Médicos, no município. Ou seja, não tem profissional brasileiro atuando pelo projeto. São 250 cubanos em atividade em 140 municípios catarinenses, além de 11 profissionais que atuam em aldeias indígenas. Sem mais comentários!
  • A saída dos médicos cubanos deixará um buraco de 8.332 vagas em aberto, que se somam a outras 1.600 que já estavam ociosas, segundo o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). Isso representa cerca de 24 milhões de brasileiros sem nenhum tipo de assistência à saúde.
  • Atingindo 63 milhões de brasileiros, o programa conseguia combater doenças na fase inicial, evitando tratamentos caros e desnecessários — além de poupar vidas. Confirmado: o povo tem o governo que merece!
  • E por falar no deputado bang bang do Alto Vale! Entre o início dos anos 1980 e 2016, o percentual de homicídios no país cometidos com armas de fogo subiu de 40% para 71% do total. Esse é mais um recorte do Atlas da Violência 2018 divulgado em junho pelo Ipea e pelo FBSP.
  • Estudo do Ipea aponta que, sem o Estatuto Desarmamento, o Brasil poderia ter ainda mais homicídios do que os 62.517 ocorridos em 2016, o que equivale a uma taxa de 30,3 mortes para cada 100 mil habitantes.
  • E mais…  Apenas em 2017, o Brasil registrou 63.880 mortes violentas, o maior número de homicídios da história recente do país. Os dados indicam que foram assassinadas 175 pessoas por dia, registrando elevação de 2,9% em comparação a 2016. A taxa é de 30,8 mortes para cada 100 mil habitantes. Sem o Estatuto do Desarmamento esse número seria 12% superior, apontam os pesquisadores.
  • Especialistas ressaltam a importância de uma política de controle responsável de armas de fogo para aumentar a segurança de todos. Segundo a pesquisa, entre 1980 e 2016, 910 mil pessoas foram mortas por perfuração de armas de fogo no país. (Com informações da Agência Brasil.)

 

Para meditar

“A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano.” João Paulo II

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui