Análise do ar pode aumentar produtividade e evitar riscos aos colaboradores

Empresas devem estar atentas ao prazo para se adaptar ao eSocial quanto aos laudos de segurança e saúde do trabalhador, incluindo a análise quantitativa do ar

0
588

Com o intuito de gerar menos burocracia e aumentar a agilidade dos processos, as empresas brasileiras terão que adotar até julho de 2019 o sistema eSocial para apresentar questões trabalhistas a respeito de seus funcionários. Ao inserir as informações no banco de dados do eSocial, as organizações reduzirão tempo e recursos, e para o funcionário haverá simplicidade de verificar as informações com mais segurança, já que o sistema facilita o controle e fiscaliza a situação de cada trabalhador.

Uma das obrigações que terão que ser informadas ao eSocial são os laudos de segurança e saúde do trabalhador, assim como as informações dos atestados de saúde ocupacional. O sistema eSocial não alterará a legislação de segurança e saúde do trabalhador, mas é uma forma de examinar a prática destas legislações nas empresas. “Prestar contas a respeito da segurança e saúde do trabalhador é muito importante dentro de uma empresa, pois, garante a saúde e integridade física dos colaboradores”, afirma Lucas Bona, gestor comercial da Laboprime.

Uma das questões que serão exigidas com o eSocial, é a análise quantitativa do ar, para higiene ocupacional. Isso porque a falta de higiene em ambientes fechados e a alta quantidade de poluentes no ambiente de trabalho podem afetar a produtividade e a saúde do colaborador. É neste momento que entra a análise química do ar. “A legislação brasileira estabelece limites a respeito da exposição máxima de agentes químicos que podem estar presentes no ambiente de trabalho. Com a chegada do eSocial as vistorias serão ainda maiores, e as empresas precisam estar atentas”, afirma Bona.

A análise do ar verifica quais produtos químicos a empresa utiliza e faz a medição dos produtos aos quais os funcionários estão expostos. “Na maioria dos casos são as indústrias as maiores causadoras de poluição do ar dentro do ambiente de trabalho, pois, grande parte delas utilizam agentes químicos ou efetuam algum processo de solda, o que ocasiona a produção de poluentes”, comenta Bona.

Uma das empresas que realizou a análise do ar foi a Cativa, de Pomerode (SC). “Nossa preocupação sempre foi com o bem estar dos nosso colaboradores. Em virtude de sermos uma grande indústria, precisamos realizar a análise e ver se estava tudo certo com nosso ambiente de trabalho”, afirma Erica Carine Pickler, técnica de segurança e saúde do trabalho da Cativa. A Cativa realizou a análise com a Laboprime e afirma que teve um ótimo atendimento e com bastante agilidade. “A

Laboprime é sem dúvida merecedora de todas as conquistas e méritos. Toda equipe tem muita dedicação, competência, ética e profissionalismo”, afirma Erica.

As empresas que necessitam realizar a análise devem ficar atentas aos prazos do eSocial, pois, o processo de análise leva de 15 a 18 dias para ficar pronto e ser apresentado novamente. O processo varia de acordo com cada empresa, mas o ideal é que elas se organizem três meses antes do fim do prazo, que é julho do próximo ano. Se a análise química do ar for feita com periodicidade e de maneira preventiva, pode evitar diversos tipos de prejuízos para a empresa e, até mesmo, colaborar para o crescimento da mesma.

Sobre a Laboprime

A Laboprime é um laboratório de análises nos seguintes segmentos: ar, alimentos, materiais, água, efluentes, resíduos e análises de agentes químicos para higiene ocupacional. Sediada em Timbó (SC), está há seis anos no mercado, fornecendo serviços de análises e consultoria técnica com qualidade certificada. Atende empresas de diversos segmentos em todo o Estado de Santa Catarina.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui