A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio do Sul e Região (SINSPURS), Marilene Back Espindola, esteve na sede do setor de Obras nesta quarta-feira, 14, para ouvir as reclamações dos servidores.

“Tivemos duas reuniões em dezembro do anos passado (2017), inclusive com a presença do secretário de Infraestrutura, Fábio Alexandrini, com o diretor das Obras, Jaime Sbors, com o advogado do Sindicato, doutor Rodrigo de Souza, e com vereadores. Nada do que foi acordado até agora foi cumprido pela prefeitura”, denuncia Marilene.

Na reunião desta quarta-feira, agendada com o diretor de Obras, Jaime Sbors, não contou com a presença dele, que saiu do local quando Marilene chegou, causando perplexidade e indignação.

Reclamações dos servidores

De acordo com a presidente do Sindicato, falta geladeira e microondas para que os servidores possam guardar e esquentar marmitas. “O único microondas não dá conta da demanda e esquenta”, explicou Marilene.

Outro problema sério, segundo a dirigente sindical, é o banheiro que não tem condições de atender a todos. “Quando esses servidores chegam do trecho, muitas vezes sujos pelo trabalho que realizam, inclusive com rede de esgoto, não têm um local para tomar banho. Pedimos para que liberassem os banheiros do pavilhão de eventos mas, até agora, nada”, frisou.

Marilene também denunciou a situação de máquinas e equipamentos. “Quase tudo sucateado, em péssimas condições de serem usados no dia a dia, nos serviços prestados à comunidade”.

De acordo com Marilene, tem câmera filmando o refeitório e isso fere a dignidade dos servidores, porque o refeitório é usado em momento de descanso e fora do horário de trabalho. “Nosso setor jurídico já apontou a irregularidade e que tem jurisprudência sobre isso, que não permite esse abuso. Ou tiram essa câmera ou vamos entrar na Justiça”, salientou Marilene.

Um servidor, que pediu para não ser identificado, reclamou que até materiais básicos, para limpeza e higienização do local, os próprios funcionários muitas vezes são obrigados a comprar com dinheiro próprio. Ele também reclamou de que todas as coisas acertadas em reuniões com o sindicato não são agilizadas e que isso gera muita indignação por parte dos servidores. “O descontentamento é geral”, afirmou.

“Pedimos que a comunidade dê maior atenção a esses servidores das Obras”

Marilene informou que os servidores do setor de Obras são os que mais trabalham em serviços pesados, sujo e insalubres, no entanto, são os que menos recebem. “Esses servidores recebem por mês como salário base novecentos e setenta e seis reais e cinquenta e oito centavos (R$ 976,58). Pedimos para que o município olhe isso e melhore o salário desses trabalhadores”.

“Também pedimos que a comunidade dê maior atenção a esses servidores das Obras. Muitas vezes negam que usem banheiros em lojas ou até mesmo já teve casos de negarem um copo de água. Isso é muito triste!”, destacou Marilene.

“O SINSPURS vai continuar atento a todas as questões do setor de Obras e esperamos que a atual gestão cumpra os acordos, com agilidade e mais respeito. Também estamos reivindicando melhores salários a esses servidores”, finalizou Marilene.

O que diz a prefeitura

De acordo com o secretário de Infraestrutura, Fábio Alexandrini, o problema de falta de banheiro vai ser resolvido com “container banheiro”, que já está em processo de licitação.

Alexandrini disse que têm dois microondas no refeitório e que breve virão mais microondas e geladeiras, apreendidos pelo Judiciário.

Sobre a câmara de vídeo no refeitório, Fábio argumenta que é uma decisão do Departamento de Patrimônio.