Anatomia de uma cassação – Zona Franca

0
1319

Encontramos no FACEBOOK, do advogado e ex-reitor da Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – UNIDAVI, Jaime Pasqualini. Confira no Pois é!

Aids matou 515 catarinenses em 2016

No Dia Mundial de Luta contra a Aids, celebrado em 1º de dezembro, a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES/SC) alerta para o crescimento do número de casos de infeções pelo HIV, o vírus da Aids, especialmente entre os adultos jovens. Desde 2014, quando a infecção pelo HIV passou a ser de notificação obrigatória, o número de casos entre pessoas de 20 a 34 anos saltou de 757 para 1.051, em 2015, e para 1.080, em 2016. Esse grupo corresponde a 54% do total de 1.974 casos de HIV registrados no estado no ano passado, de acordo com os dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) da SES/SC.

Em relação aos casos de HIV notificados em 2016, o segundo grupo com maior incidência foi o de pessoas de 35 a 49 anos (578), seguido pelos grupos de 50 a 64 anos (192), 15 a 19 anos (92), 65 a 79 anos (30) e de 10 a 14 anos (2). A região com o maior número de casos foi a Grande Florianópolis (517), seguida pela região da Foz do Vale do Itajaí (407) e pelo Médio Vale do Itajaí (231). O total de novos casos notificados em 2016 foram 1.600 e o número de óbitos ocorridos, no ano passado, 515. (Secom/SC)

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico do HIV, mais cedo será iniciado o tratamento contra a Aids. Na terça-feira 5, todas as unidades de saúde de Rio do Sul atenderão, das 18h às 21h, exclusivamente, para a realização de testes rápidos. De janeiro até meados de novembro, cerca de 150 novos casos de contágio do HIV foram registrados no Alto Vale, destes 65 na Capital do Alto Vale.

 

Pois é: Anatomia de uma cassação

Tenho dito reiteradamente que a próxima eleição em nossa cidade terá aspectos muito diferentes dos tradicionais embates políticos de outrora, a começar pela peculiaridade de um pleito fora de época, afinal todas as eleições anteriores sempre coincidiram com as datas nacionais de 03 de outubro, enquanto que a próxima será em dia e mês absolutamente distinta e designada pela Justiça Eleitoral local.

Assim como aconteceu em todas as campanhas que precederam a de 2.016, todas foram marcadas pelo ABUSO DO PODER ECONÔMICO – com a participação de setores produtivos da cidade que, interessados numa fatia do bolo desembolsavam enormes quantias para garantir esse objetivo elegendo seu manipulável ventríloquo, tudo é claro até então homologado pela Justiça Eleitoral. Talvez a única exceção (ponto fora da curva) tenha sido a vitória do PT em 1.999 – que apenas durou até 2.004, quando então as forças ocultas se revigoraram.

Certamente em 2.018 teremos novas eleições para prefeito em Rio do Sul, porém, com a inelegibilidade de alguns políticos paroquianos aliado ao fato de que muitos dos que se envolveram na campanha vitoriosa foram indiciados, processados e condenados, teremos então uma eleição atípica na medida em que os limites dos gastos eleitorais serão respeitados, não haverá expressivas contribuições e o melhor de tudo: os pré-candidatos que se apresentam até o momento não se mostram atrelados com as famigeradas “forças do poder” que engessam, malversam e conduzem a leniência administrativa municipal, daí a convicção de que o resultado maior dessa NOVA ELEIÇÃO poderá ser um novo modelo de gestão pública voltada à criatividade, celeridade e transparência que nos conduzem necessariamente à competência e honestidade, é esperar para ver !!! Por: Jaime Pasqualini – no Facebook

 

Programas do campo cortados prejudicam a vida dos trabalhadores rurais

Desde que o governo de corruptos, liderado por michel temer (PMDB), assumiu a presidência, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), considerado pelo MST como um dos estruturadores da reforma agrária e da agricultura familiar, acumula cortes exorbitantes, que somam cerca de 71%, passando de um investimento de mais de R$ 32 milhões em 2015, para aproximadamente R$ 3 milhões no primeiro semestre de 2018, conforme o Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) apresentado para o próximo ano.

De acordo com o professor Carlos Alberto Feliciano, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), o corte dos programas sociais no campo é uma forma de tentar limitar a luta das famílias e movimentos sociais pela reforma agrária. “Existem três principais formas de atacar a luta: através da criminalização dos militantes e dos movimentos sociais, por meio de regulamentações que penalizam e inibem a organização dos sujeitos e também pela desarticulação de programas de crédito e incentivo aos trabalhadores rurais. Todas essas são estratégias institucionais para desmobilizar as pessoas e tentar despolitizar a luta pela reforma agrária que estamos vendo hoje”, explica.

” Sabemos que assentados e pequenos produtores detêm pequena quantidade de terras e, mesmo assim, são responsáveis por 70% da alimentação que chega nas mesas dos brasileiros. Retirar investimentos da reforma agrária é violentar toda a população.”

 

É isso aí! E ninguém se envergonha …

Passo a passo nos distanciamos dos ditames da civilização ocidental. Em nome de Deus — seria o caso de perguntar “qual Deus” — por ano condenamos à morte 343 homossexuais, 43 mil pessoas (a maioria homens, jovens e negros) são assassinadas por armas de fogo, 1.700 mulheres morrem em decorrência de complicações de aborto clandestino. Um Estado laico que, ao invés de proteger seus cidadãos, submete-se às chantagens de fundamentalistas com obscuros interesses, definitivamente não representa a coletividade. Você concorda?

 

C U R T A S

  • Um passarinho assoprou que a prefeitura de Rio do Sul estaria pagando multa por não cumprir com “ajuste de conduta”, realizado com a Secretaria da Saúde/Ministério Público. Isso estaria ocorrendo desde maio. Vamos averiguar. Se confirmado veremos o porquê.

 

  • Grupo formado pelo 1% mais rico da população brasileira recebeu em 2016 uma renda média 36,3 vezes maior que a metade mais pobre; de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, o rendimento médio mensal da parcela mais rica foi de R$ 27.085, contra R$ 747 da metade mais pobre dos brasileiros.

 

  • Aldo Siebert, em seu comentário na RBATV, enfatizou: “administração thomé/paulo cunha acabou em âmbito da 26ª Zona Eleitoral, vamos ver o que vem do Tribunal Regional Eleitoral”, mais ou menos isso. Pena que jovens valores como o Christian, o Fiamoncini e outros, que estão ingressando na vida pública (política), recebam os respingos da irresponsabilidade das velhas raposas.

 

  • E por falar na atual administração de Rio do Sul, com tambores rufando, foi anunciada a reforma administrativa que propiciaria a economia de soma das mais expressivas. Incrementada e com aumento do FPM, a prefeitura está com o caixa zerado para este ano e faltam 30 dias para terminar. Não surtiu efeito ou Incompetência? … Como ficou o voto de confiança da oposição?

 

  • Mais uma vez a Câmara de Municipal salvou o executivo, mais precisamente, a Saúde rio-sulense. Anulada dotação de R$ 400 mil do legislativo e repassada à Secretaria da Saúde. Mas, mesmo assim, os idosos ficarão sem a sacolinha de medicamentos de uso contínuo até fevereiro de 2018. Será que estão incrementando a política “velhinho bom é velhinho morto”?

 

Para meditar

“Promessas nos levam a delírios…Mas promessas não cumpridas, não vão pro SPC… Dariam mais valor se fosse…” Jorge Oliveira

Luiz Carlos Dacol – Jornalista

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui