Zona Franca – Lista de deputados catarinenses que fecharam com a corrupção

0
846

Votaram com o povo brasileiro

Carmen Zanotto (PPS) – Não

Décio Lima (PT) – Não

Esperidião Amin (PP) – Não

Geovania de Sá (PSDB) – Não

João Paulo Kleinubing (PSD) – Não

Jorge Boeira (PP) – Não

Jorginho Mello (PR) – Não

Mauro Mariani (PMDB) – Não

Pedro Uczai (PT) – Não

(Marco Tebaldi (PSDB) – Ausente)

Confira a lista de deputados catarinenses que fecharam com a corrupção

Foram 251 votos favoráveis ao parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que recomendava a não autorização da abertura de inquérito contra Temer no STF. 233 deputados votaram contra o parecer. Para que o inquérito fosse autorizado, eram necessários 342 votos.

Para o jornalista Kiko Nogueira, “o Brasil deixou de ser uma democracia para se transformar numa canalhocracia, ou seja, um território governado por canalhas”.

Celso Maldaner (PMDB) – Sim

Cesar Souza (PSD) – Sim

João Rodrigues (PSD) – Sim

Peninha (PMDB) – Sim

Ronaldo Benedet (PMDB) – Sim

Valdir Colatto (PMDB) – Sim

O deputado Wadih Damous, do Rio de Janeiro, após a votação destacou: “A maioria da Câmara dos Deputados se tornou cúmplice da roubalheira, do trabalho escravo, da reforma da Previdência, do que há de pior nesse país”.

Tem razão o presidente Lula ao afirmar: “Depois dizem que a Lava Jato está combatendo a corrupção. Depois dizem que a operação Lava Jato está moralizando este país, que quer combater a corrupção”, ao comentar a vitória de Michel Temer no Congresso. “Se ela quisesse combater a corrupção, não tinha essa corrupção campeada no Congresso”.

 

 

O que se fala por aí…

Minha gente! São especulações… conversas de bar, mas com algumas possibilidades… “Não paira, absolutamente, o Espírito de Deus no mundo da política”, razão pela qual tudo pode acontecer.

Para o Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, “É triste constatar o que ocorre na política partidária. O desejo de ocupar cargos públicos não vem acompanhado do sentido cidadão mais profundo de ajudar decisivamente na construção de uma sociedade solidária e justa. Trata-se de interesse doentio pelo dinheiro, para alimentar ilusórias sensações de poder e segurança. Uma ambição que produz essa economia sem rosto e sem um objetivo verdadeiramente humano. Ora, a idolatria do dinheiro é perigosa, gera ilusões e desgasta o mais nobre sentido da política, que é promover o bem comum…”

 

Mas vamos ao cenário especulado:

Assembleia Legislativa: PMDB, desponta forte o nome do Gariba, ex-prefeito de Rio do Sul … Outros nomes que aparecem Hugo Lembeck e José Menegatti, dois ex-prefeitos. Isto se o Aldo Schneider não concorrer.

PR – Partido da República, Maria Helena Zimmermann, a Kika.

Pelo PSD, o candidato natural seria Milton Hobus, mas comenta-se que o deputado teria outros projetos… vice-governador, senado, deputado federal? Ninguém sabe, mas creio que nos finalmentes, ele volte à Alesc.

PT – O Partido dos Trabalhadores teria como candidato Jean de Liz, isto se não houver novas eleições em Rio do Sul … Comenta-se que existem boas possibilidades. Ele seria candidato.

Jailson Lima, ex-deputado pelo PT, poderia concorrer pelo PDT (que ele teria simpatia) ou outro partido. Segundo consta ele continua sem filiação partidária.

Pelo Partido Progressista ninguém se apresentou ainda, embora existam rumores que o ex-deputado Nelson Goetten tenha recebido convite para se filiar ao partido, sua primeira filiação política.

Para meditar

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” ― Rui Barbosa

Luiz Carlos Dacol

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui