Cooperativa questiona coleta de lixo pela prefeitura de Ituporanga

0
1943
Grupo de cooperados que trabalham com a reciclagem de lixo em Ituporanga (Foto: Aurio Gislon/JAV Online)

Prefeitura terceirizou coleta de lixo e contrato com a cooperativa foi desrespeitado

A Cooperativa de Trabalho de Catadores de Material Reciclável de Ituporanga tem contrato com a prefeitura até 18 de julho de 2017. No entanto, a prefeitura não está cumprindo o contrato. A coleta foi terceirizada com empresa de Gaspar (SC).

O presidente da cooperativa, Antônio Marcírio, disse que a prefeitura coletava o lixo até um mês atrás. Ele reclama que a empresa coletora não está levando a totalidade do material coletado ao galpão da cooperativa, onde os 12 cooperados fazem a separação do material, enfardam e vendem a empresas de Rio do Sul, Lages e outras cidades. “Quando a prefeitura coletava o material vinha todo para nós. Agora só recebemos uma parte”, disse Antônio.

Material passa por triagem e é destinado à reciclagem (Foto: Aurio Gislon/JAV Online)

O contrato da cooperativa com a prefeitura prevê o pagamento de R$ 60,00 a tonelada de material separado e destinado à reciclagem. “Não recebemos janeiro e fevereiro até o momento”, reclamou Antônio.

Coleta seletiva precisa de conscientização

A coleta de lixo em Ituporanga vem sendo ajustada a pedido do Ministério Público. É feita a coleta seletiva e a comum. “Precisamos de pelo menos um ano para que a população separe o lixo pra coleta seletiva. Tem que fazer campanha de conscientização”, explicou o presidente da cooperativa. Enquanto isso ele defende que todo o material recolhido passe pela triagem da cooperativa e que a empresa recolha corretamente e em tempo hábil para que o serviço da cooperativa não pare. “O caixote de material descartado, que vai para aterro sanitário, está cheio desde sexta (17) e estamos sem poder trabalhar enquanto a empresa não recolher”, explicou Antônio nesta segunda-feira 20.

Quando o caixote enche de material descartado deve ser recolhido e substituído por outro vazio para que os trabalhos tenham prosseguimento (Foto: Aurio Gislon/JAV Online)

O que diz a prefeitura de Ituporanga

O secretário adjunto de Urbanismo, Antônio Souza, explicou que há um mês a prefeitura contratou uma empresa em caráter de emergência para a coleta de lixo porque os caminhões da prefeitura para esse fim estavam sem condições de trabalho. “O contrato é de 90 dias. Neste período a prefeitura está tentando (com apoio parlamentar) adquirir um ou até dois caminhões e a coleta voltar à municipalidade”, informou o secretário adjunto.

Antônio disse que a prefeitura está pagando R$ 150 mil por mês à empresa contratada e que a coleta realizada pela prefeitura fica mais em conta. Ele defende que a prefeitura volte a fazer o serviço mas que, no entanto, a prefeitura e a cooperativa devam atender o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) estabelecido com o Ministério Público.

Antônio Souza ainda informou que Ituporanga tem em torno de 22 mil habitantes e são recolhidas 25 toneladas de lixo diariamente e que apenas três comunidades do interior ainda não conta com a coleta de lixo, mas que breve serão incluídas nesse serviço.