Prefeito rio-sulense decreta o FIM da UPA 24 HORAS

0
9121

Manter a UPA em funcionamento hoje é inviável, segundo o prefeito José Eduardo, que apresentou a decisão em coletiva de imprensa

Alegando economia, o prefeito José Eduardo anunciou nesta terça-feira 7, o “fechamento” da UPA 24 horas, pelo sistema que vinha sendo operada. De acordo com a assessoria de imprensa da municipalidade, a justificativa é que o custo médio de qualquer procedimento feito na UPA é de aproximadamente R$ 110, quase quatro vezes mais do que a Secretaria de Saúde gasta para uma consulta ou exame especializado, por exemplo. Isso resulta em custos mensais elevados e que afetam diretamente o orçamento da secretaria de Saúde. O repasse final de R$ 443 mil todos os meses para a GAMP manter a UPA em funcionamento hoje é inviável, segundo o prefeito José Eduardo, que apresentou a decisão em coletiva de imprensa.

Na verdade, a expectativa era grande desde que se anunciou a vitória da chapa PSDB/PSD, cujo líder maior, o deputado estadual Milton Hobus em diversas oportunidade tinha se manifestado que a “UPA é uma bomba, quero ver quem vai desarmar”. Antes da posse, o vice-prefeito Paulo José Cunha já anunciava que a prestação do serviço à saúde dos rio-sulenses pela UPA poderia ser suspensa. Portanto, não chegou a surpreender, que em nome da “economia”, o serviço que tanto agradou e benefícios trouxe à população rio-sulense foi encerrado. Isso se chama economia burra, porque Saúde, como Educação, é investimento e não gasto.

A Secretaria de Saúde de Rio do Sul assumirá a partir de amanhã quarta-feira 8, a gerência e operação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h), do bairro Canta Galo. O Grupo de Apoio a Medicina Preventiva e à Saúde Pública (GAMP), ONG que atua na unidade desde a inauguração em setembro do ano passado, foi notificada na manhã desta terça-feira 7, sobre o encerramento do contrato.

Coletiva em que foi comunicado o fim da UPA 24h (Foto: AIPMRS)

Faltou esforço da administração municipal em busca de meios de financiamento dessa prestação de serviços. Mas, a exemplo do que ocorre na administração federal em que o PSDB tem o preposto michel temer, a Saúde do povo não interessa. Em nome da economia de alguns reais que pertencem ao povo que paga impostos, uma segurança de atendimento à saúde é desprezada. Faltou empenho ao governo José Eduardo/Paulo Cunha em busca de outra solução, que o drástico fechamento da UPA 24h.

Não confere

De acordo com Giovani Nascimento, vice-presidente da FUSAVI, mantenedora do Hospital Regional Alto Vale, “Desde que a unidade foi aberta em setembro do ano passado, o volume de atendimentos do HRAV caiu muito pouco. “Se em média 10 pacientes eram atendidos por madrugada, agora são oito”, salienta.

Número de atendimentos da UPA é quase o dobro do registrado no pronto atendimento do HRAV (Fonte: Tribuna Livre Rio do Sul)

Dados levantados no DATASUS, departamento do Sistema Único de Saúde (SUS) responsável por coletar, processar e disseminar informações sobre o sistema de saúde, mostram que de setembro de 2016 a janeiro de 2017, a UPA realizou 16.984 atendimentos. No mesmo período o pronto atendimento do Hospital Regional Alto Vale (HRAV) registrou 9.802 atendimentos.

O número de atendimento médicos realizados pela UPA é 73% superior aos realizados no mesmo período pelo pronto atendimento do HRAV. A UPA funciona 24h e atende exclusivamente os moradores de Rio do Sul, já o Hospital Regional atende os 28 municípios do Alto Vale do Itajaí.

Inaugurada no dia 15 de setembro de 2016, a UPA, registrou 967 atendimentos em setembro. Em outubro de 2016 foram 4.106 atendimentos, 4.071 em novembro, 3.895 em dezembro e 3.945 em janeiro desde ano. Uma média de 3.397 atendimentos por mês no período.

Já o pronto atendimento do HRAV registrou 2.362 atendimentos médicos em setembro de 2016, 1.762 em outubro, 1.785 em novembro, 1.875 em dezembro e 2.018 em janeiro desde ano. O que representa uma média de 1.960 atendimentos mensais no período.

A gestão da UPA era de responsabilidade do Grupo de Apoio a Medicina Preventiva e a Saúde Pública (GAMP), através de convênio firmado com a Prefeitura Municipal de Rio do Sul em setembro do ano passado. Estima-se que o custo para operação da unidade é de R$ 444 mil mensais, arcados pela prefeitura para atender exclusivamente os moradores do município.

Segundo estimativas o custo de manutenção do pronto atendimento do HRAV é de aproximadamente R$ 600, arcados pelo SUS e pelas Prefeituras Municipais de Rio do Sul e dos municípios do Alto Vale do Itajaí.

Levando em consideração as estimativas o custo de operação do pronto atendimento do Hospital Regional é maior, para atender menos pessoas e estar à disposição de um número maior de municípios. (Tribuna Livre Rio do Sul).

Meia boca

Na coletiva, José Eduardo e Paulo Cunha destacaram que “a UPA não será fechada”. Vai funcionar “meia boca”, de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h, e nos sábados e domingos das 6h às 18h. Eles afirmaram que “a forma de custeio dela hoje é inviável e algo precisava ser feito urgentemente”.

… e foi feito: o fim da prestação de serviço exemplar que vinha sendo realizado.

Desculpa esfarrapada

A secretária de Saúde, Sueli de Oliveira, garante que o atendimento da UPA 24h pode ser feito normalmente com até R$ 150 mil ao mês, quase três vezes menos o orçamento atual. E que a demanda de atendimentos não é clara por não haver registros eletrônicos. Além disso, a secretaria de Saúde poderá oferecer serviços novos na unidade como atendimento odontológico e exames laboratoriais com resultado mais rápido e baratos.

Aqui vale lembrar o deputado gaúcho: o povo que se lixe. Com a debandada dos clientes dos planos de saúde, pelo desastroso (des)governo temer, os atendimentos via SUS têm explodido. Um bom governo municipal deveria buscar a melhor solução e esta com certeza não é.

Você acredita?

“Em nenhum momento pensamos em fechar a UPA. Ela tem um serviço essencial e que a população tem avaliado positivamente. O funcionamento dela precisa custar menos e a secretaria de Saúde pode tranquilamente fazer a gestão mais eficiente da unidade”, comentou o vice-prefeito Paulo Cunha.

Desde que me entendo por gente escuto: o povo tem o governo que merece.

Tapando o sol com a peneira

A documentação que pede o credenciamento da unidade junto ao Ministério da Saúde foi entregue em janeiro deste ano e o prefeito já esteve em duas oportunidades com o ministro Ricardo Barros para discutir o assunto. Na semana passada, a equipe técnica do ministério informou à secretária de Saúde de Rio do Sul, Sueli de Oliveira, que não há prazo para que o credenciamento seja feito pelo menos nos próximos seis meses.

Desta forma, o prefeito e o vice Paulo Cunha e a equipe da Secretaria de Saúde tomaram a decisão de mudar a forma de gerenciamento da unidade pois os custos teriam ainda mais impacto no orçamento. A ideia era que o repasse mensal de cerca de R$ 170 mil do Ministério da Saúde amenizasse o custeio da unidade para o município. Mas como a previsão de análise do credenciamento foi prorrogado, o município entraria em um colapso orçamentário.

Os cerca de 70 funcionários que hoje atuam na UPA 24h devem ser comunicados pela secretaria de Saúde sobre a mudança e será oferecido um contrato emergencial até que a solução devida seja tomada, informa a assessoria de imprensa da prefeitura de Rio do Sul.

Hospital Regional garantirá atendimentos como forma de parceria

No horário em que a UPA estará fechada, das 22h às 6h, o impacto de atendimento à comunidade deverá ser muito pequeno. É o que avalia o primeiro vice-presidente da Fusavi, Giovani Nascimento. A entidade que gerencia o Hospital Regional Alto Vale será parceira do município neste momento em que a UPA busca um novo modelo de atendimento.

Volta o antigo esquema! Horas e horas na fila do Pronto Atendimento do Hospital Regional. Enquanto, os governos não colocarem em primeiro lugar as prioridades do povo, que afinal é quem paga, acontecimentos como este vão continuar acontecendo. Não se pensou em nenhum momento em romper ou diminuir os repasses à FUSAVI.

Satisfazendo o desejo do deputado Milton Hobus, José Eduardo e Paulo Cunha desarmaram A BOMBA. O SERVIÇO DE SAÚDE QUE VINHA SENDO APLAUDIDO PELA COMUNIDADE RIO-SULENSE.

A direção da UPA 24h recebeu o comunicado da prefeitura de Rio do Sul e de acordo com o divulgado está estudando o teor do mesmo.

Com informações da Assessoria de Imprensa da prefeitura de Rio do Sul

Luiz Carlos Dacol, jornalista

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui